Experiência do Cinturão Verde será exportada para o Chile

Por - em 33

O Projeto Cinturão Verde, implantado em João Pessoa há cerca de três anos, está prestes a se tornar modelo mundial na produção de alimentos orgânicos e energia renovável. A proposta, em fase de conclusão, será apresentada à Comissão Européia, mas já conta com o apoio da Prefeitura de Milão (Itália) e está sendo coordenada pela Fundação norte-americana Fiorello La Guardia. Ela prevê o investimento de 3 milhões de euros (R$ 7,8 milhões) a serem investidos em até seis anos nos municípios de La Pintana (Chile), Porto de Pedra (Alagoas) e nas 32 cidades polarizadas por João Pessoa, propiciando a auto-suficiência e plena segurança alimentar dos municípios envolvidos no programa.

Os investimentos de 3 milhões de Euros serão aplicados na produção de frutas e legumes orgânicos e na implantação de tecnologia para energia renovável, em três países (Brasil, Chile e Itália), utilizando a experiência adquirida em João Pessoa após a implantação do Projeto Cinturão Verde. A maior parte do investimento será aplicada em João Pessoa, que ficará com aproximadamente 60% do total.

O resultado do programa será apresentado na Expo 2015 – Nutir o Planeta, Energia para Vida, que será realizado em Milão. A idéia é promover o intercâmbio e transferir experiências para os líderes de vários países do mundo que estarão participando da Expo 2015, explicou Raimundo Nunes Pereira, secretário de Desenvolvimento Sustentável da Produção (Sedesp).

Através de uma parceria firmada com as cidades de La Pintana (Chile) e Milão (Itália), além do município alagoano de Porto de Pedra, João Pessoa se comprometerá em gerenciar os recursos financeiros para um programa que terá duração de seis anos e início de execução previsto para 2009. Mas há uma grande possibilidade de começarmos a execução ainda este ano, ressalta Raimundo Nunes Pereira, da Sedesp.

De acordo com a proposta, o Projeto Cinturão Verde servirá de modelo para os municípios participantes da parceria. O programa terá duração de seis anos, tempo necessário para que João Pessoa se torne auto-suficiente na produção de orgânicos. Uma proposta como esta feita por uma instituição internacional só pode nos deixar orgulhosos, festeja Raimundo Nunes Pereira.

Os investimentos no programa de geração de alimentos serão feitos com recursos oriundos da Comunidade Européia e receberam a aprovação da UNFCCC (Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima). A parceria internacional é fruto do convênio assinado em novembro do ano passado com a Fundação Fiorello H. LaGuardia.

Nesta sexta-feira, o diretor-presidente da Fundação Fiorello LaGuardia, Patrick D´Addario, chega a João Pessoa para participar da finalização do projeto que será apresentado à Comunidade Européia. A idéia é tornar João Pessoa auto-sustentável em termos de produtos agrícolas e transferir as experiências para Milão compartilhar com o resto do mundo, diz D´Addario.

Quanto aos outros parceiros, o diretor-presidente da Fundação Fiorello LaGuardia explica que Porto de Pedra, por exemplo, está trabalhando com um grupo de pousadas no chamado Costa do Charme para que eles consigam produtos orgânicos através dos pequenos produtores rurais. No caso de La Pintana há um loteamento urbano dedicado à agricultura que precisa identificar produtos de alto valor para dar aos pequenos produtores as condições necessárias de resistir a pressão de converter a propriedade para outros usos, completou.