Exposição de experimentos eletrônicos segue até fim do mês

Por - em 53

Para comemorar 36 anos de atividade, a Escola Técnica Redentorista de Campina Grande iniciou nesta última terça-feira (4), na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano, a exposição que tem como tema “Técnica a serviço da Vida”. A exposição é composta por experimentos eletrônicos das décadas de 1950, 1970, 1980 e 1990, a exemplo de rádios, máquinas de escrever, osciloscópio, geradores de sinais e equipamentos biomédicos, de eletrólise e de equipamentos de laboratório antigos da escola.

A mostra poderá ser conferida no primeiro pavimento da Torre Mirante de terça a sexta-feira, das 9h às 21h, e sábados e domingos das 10 às 21h, até o dia 30 deste mês. A entrada é aberta ao público.

A Escola Redentorista de Campina Grande (Eter) está localizada no bairro de Bodocongó e é ligada à Congregação do Santíssimo Redentor, que tem Santo Afonso Maria de Ligório como fundador. A Eter surgiu em 1975, sob o lema “Educar é Libertar”, através de seu fundador, o padre redentorista Edelzino de Araújo Pitiá, tendo como missão a formação humana e profissional de jovens das classes sociais menos favorecidas, qualificando-os como profissionais de nível técnico para o mercado de trabalho.

O objetivo do padre Pítia era o de evitar o êxodo, a saída de tantos jovens nordestinos sem trabalho e meio de vida para o sul e sudeste do Brasil, em busca de melhoria de vida. No início, a Escola recebeu muita ajuda, nascendo assim sob a característica de uma entidade comunitária. Teve a assessoria de diversos professores do Campus II da UFPB, a exemplo de Linaldo Cavalcante, e as orientações quanto à estrutura curricular e organizacional vieram da Escola Técnica de Eletrônica de Santa Rita do Sapucaí (MG). O NAI/Pb colaborou na elaboração do Regimento Interno.

Os laboratórios receberam seus primeiros equipamentos através de doações da Agência de Colaboração Técnica da Holanda. Contribuíram também o Conselho Britânico e a SNV – Fundação dos Voluntários Holandeses. No Brasil, as contribuições chegaram através do MEC, Senai, Telebrás e de várias empresas. No ano de 1996, através de convênio, a Eter recebeu ajuda da Vitae, organização internacional para o desenvolvimento da Educação e da Ciência.

Nestes 36 anos de existência, a Escola Técnica Redentorista formou mais de 5.000 jovens habilitados para ingressar no mundo do trabalho. A instituição também trabalha com a formação inicial e continuada de trabalhadores, qualificando-os e requalificando-os para atendimento das necessidades e demandas do mercado local, regional e nacional. A Escola é uma entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública federal, tendo como mantenedora a Congregação Redentorista Nordestina.

A Eter oferece atualmente os seguintes cursos técnicos: Eletrônica, Manutenção de Equipamentos Biomédicos, Telecomunicações, Informática, Segurança do Trabalho, Guia de Turismo, Logística, Enfermagem e Reabilitação de Dependentes Químicos. A Escola também oferece cursos de qualificação e requalificação de trabalhadores, nos diversos eixos tecnológicos.

Oficinas redentoristas – Nos dias 5, 19 e 26 de outubro, durante a exposição na Estação Cabo Branco, serão ofertadas oficinas sobre segurança no trabalho, guia de turismo, logística, enfermagem, informática e telecomunicações, entre outras. As oficinas serão gratuitas e ministradas pelos alunos da Escola Redentorista nos horários de 10h e 14h. Outras informações pelos telefones 3214.8270 e 3214.8303.

SERVIÇO:

Exposição Escola Técnica Redentorista – 36 anos de técnica a serviço da vida

Até 30 de outubro

Local: 1º pavimento da Torre Mirante da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano

Contato para imprensa

Lúcia França – Curadora

Fones: 8708.9445 – 9985.2725 – 8802.3255

Email: luciafranca1001@gmail.com