Exposição e lançamento de livro marcam centenário do Rei do Baião

Por - em 51

A Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes abre na próxima terça-feira (4), às 19h, a exposição “O Imaginário do Rei – Visões sobre o Universo de Luiz Gonzaga”. O evento também marca o lançamento na Paraíba do livro “O Rei e o Baião” (2010), do curador paraense Bené Fonteles. A abertura da exposição será comemorada com um show do grupo de forró As Bastianas, no Salão Panorâmico. A entrada é gratuita.

A mostra ocupará todo o segundo pavimento da Torre Mirante da Estação Cabo Branco. “Trata-se de uma homenagem coletiva de artistas de todas as regiões do País dentro das comemorações do Ano Luiz Gonzaga, com uma rica e diversificada iconografia sobre a vida e a obra de Gonzagão. Reúne fotos, livros, CDs e quatro filmes que serão exibidos na exposição”, explicou Fonteles.

Na mesma noite, o curador lança o livro “O Rei e o Baião”, um verdadeiro tratado de 376 páginas que compila em dez ensaios de escritores, fotógrafos e artistas visuais praticamente tudo o que de mais importante foi lançado sobre a vida do Rei do Baião.

Quatro artistas paraibanos participaram do livro: José Altino, Sandoval Fagundes, Mário Simões e o fotógrafo Gustavo Moura, com um ensaio sobre o sertão gonzagueano. Durante a mostra, vão estar em cartaz os filmes: “Viva São João!”, de Andrucha Waddington, “O Milagre de Santa Luzia”, de Sergio Roizenblitz, “O Homem que Engarrafava Nuvens”, de Lírio Ferreira, e “Luiz Gonzaga – A Luz dos Sertões”, de Rose Maria.

“Ao lado de Pixinguinha, Noel Rosa, Dorival Caymmi e Tom Jobim, Luiz Gonzaga é um dos cinco pilares fundamentais da música brasileira. Ele a recriou e soube dimensioná-la mundialmente”, conceitua Fonteles, que recebeu o Prêmio Centenário Luiz Gonzaga da Funarte, concedido pelo MinC, pela exposição.

Livro – O Rei do Baião é uma análise da grande herança cultural nordestina recriada por Luiz Gonzaga e seus parceiros, suas conquistas e desdobramentos, ao invadir de forma extraordinária o imaginário do povo brasileiro.

No livro pode-se encontrar os ensaios de Antônio Risério, Bené Fonteles, Elba Ramalho, Gilmar de Carvalho, Hermano Vianna e Sulamita Vieira, com a apresentação de Gilberto Gil. Eles colocam de forma essencial a importância de sua influência na música e nos costumes pelo viés da antropologia cultural. A publicação traz ainda resenhas das mais importantes publicações em livros, discos e filmes sobre sua obra. Mostra também uma rara antologia iconográfica que fez de Gonzaga um herói musical do povo nordestino.

A edição é toda ilustrada com xilogravuras de Francorli e Carmem, Elias Santos, Arievaldo Viana, João Pedro do Juazeiro, José Lourenço, Francisco de Almeida, a pintura de Ciça Fittipaldi e o ensaio fotográfico de Gustavo Moura. Luiz Gonzaga é o segundo artista no país a transformar com originalidade os costumes e símbolos de sua região nos primeiros ícones pop´s da cultura brasileira.

Luiz Gonzaga mistura e recria ritmos do baião ao xote, do xaxado a toada para se tornar com o samba as matizes musicais e poéticas da nova música popular no Brasil. O livro foi editado pela Fundação Athos Bulcão e contou com o patrocínio do Fundo Nacional de Cultura do Ministério da Cultura.

Bené Fonteles – É natural de Bragança (PA). Participou da Bienal de São Paulo em 1973, 75, 77 e 81, do Panorama de Arte Brasileira do MAM (SP), em 75, 77, 80, 85 e 88. Fez mostras individuais no MAC (USP), MASP e Pinacotecado Estado de São Paulo. Suas obras estão no acervo do MAM (SP), Rio de Janeiro e Bahia, no Museu de Arte de São Paulo e Museu de Arte Contemporânea da USP.

Escreveu e organizou os livros “Gil Luminoso: “A Poética do Ser” e “Gil de Todas as Contas”, “Ney Matogrosso: Ousar Ser”, “Artista da Luz”, sobre Rubem Valentim; “Athos Desenha”, sobre Athos Bulcão, “Nem É Erudito, nem é Popular – Arte e Diversidade Cultural no Brasil”, editado pelo MinC/UFRJ, e “O rei e o Baião”, sobre Luiz Gonzaga.

Foi curador no período de 1975 a 2012 de importantes espaços culturais e museus, como o Museu de Arte de SP, MAM de São Paulo e Bahia, Museu Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro, Museu da República em Brasília e Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. Recebeu, em 2003, a Ordem do Mérito Cultural da Presidência da Repúblicae MinC pela sua contribuição para a cultura brasileira.

SERVIÇO:

Exposição: O IMAGINÁRIO DO REI – VISÕES SOBRE O UNIVERSO DE LUIZ GONZAGA

Lançamento: Livro O REI DO BAIÃO – Bené Fonteles (org.)

Show: AS BASTIANAS

Terça-feira (4)

Hora: 19h

Local: 2º pavimento da Torre Mirante – Estação Cabo Branco

Fones: 3214.8270 – 3214.8303.

Twitter: @estacaocb

Acesse www.joaopessoa.pb.gov.br/estacaocb

CONTATO PARA IMPRENSA:

Lúcia França – Vice-diretora e curadora geral da Estação Cabo Branco Fone: 8802.3255

Bené Fonteles – Curador

Fone: (61) 9333.6678

Email: benefonteles@terra.com.br