Exposição mostra obra do arquiteto português Siza na Estação Ciência

Por - em 24

O consagrado arquiteto português de prestígio internacional Álvaro Siza Vieira é tema de exposição aberta nesta terça-feira (25) na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes. O público pode visitar essas instalações até o dia 8 de dezembro, de terça a sexta-feira das 9h às 17h. Aos sábados, domingos e feriados, a exposição abre entre 10h e 18h. A entrada é gratuita.

A mostra chegou à Paraíba por intermédio dos cursos de arquitetura da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e do Centro Universitário de João Pessoa (Unipê). A coordenação da exposição, em João Pessoa, está sob a responsabilidade dos arquitetos Estevam Medeiros e Amélia Panet. Dedicados à formação de jovens arquitetos, eles acreditaram que João Pessoa não poderia perder a oportunidade de apreciar tão singela arquitetura.

A exposição, composta por 24 painéis, foi organizada pelo arquiteto Flávio Nassar, da Universidade Federal do Pará, com material do escritório de Álvaro Siza Vieira, e, no Brasil, recebeu o apoio e divulgação através do escritório de arquitetura Andrade & Raposo e da Associação dos Amigos do Porto, ambos sediados em Recife.

Siza Vieira realizou obras emblemáticas como o Pavilhão de Portugal da Expo 98, a Igreja de Santa Maria (no Marco de Canaveses), o Museu de Arte Contemporânea (na cidade do Porto) e o Museu Iberê Camargo, recentemente inaugurado em Porto Alegre e condecorado com o Leão de Ouro na 8ª Bienal de Arquitetura de Veneza, um dos mais importantes eventos da arquitetura, por sua excepcional qualidade.

O arquiteto Álvaro Siza Vieira nasceu em 1933, na cidade de Matosinhos, em Portugal. Entre 1949 e 1955, estudou na Escola de Arquitetura da Universidade do Porto, onde mais tarde veio a lecionar. No início de sua carreira, colaborou com o arquiteto Fernando Távora e logo se empenhou em um projeto coletivo do período: não ser tradicionalista e não ignorar suas raízes.

Desde essa época, o trabalho de Siza não admite rótulos. Um olhar retrospectivo sobre sua produção permite identificar temas, tipologias e formas recorrentes, mas o arquiteto está continuamente buscando o novo – efervescência que pode ser constatada a partir dos muitos esboços e croquis que realiza.

O ambiente escolhido para a exposição em João Pessoa condiz com a estatura do autor. A obra de um arquiteto de renome mundial é acolhida por uma grande obra arquitetônica – a Estação Cabo Branco – assinada por outro gênio, Oscar Niemeyer.