Feira reúne 40 artesãos e visitantes podem conferir novidades no fim de semana

Por - em 103

A segunda versão da Feira Cidade Solidária, que está sendo realizada em frente à Empresa Paraibana de Turismo (PBTur), na Praia de Tambaú, tem registrado grande movimentação, com a visita de turistas e pessoenses. A Feira é patrocinada pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), e ficará aberta ao público até o próximo dia 12, das 16h às 22h.

Iniciada na segunda-feira (30), a Feira reúne artesãos de 40 grupos de bairros da cidade, que trabalham no regime de economia solidária, acompanhados pela Diretoria de Renda e Economia Solidária (Direcosol), da Sedes. Os visitantes podem conferir as novidades em artigos de decoração, roupas (crianças e adultos), acessórios de cama e mesa, bijouterias e lembrancinhas em várias modalidades de artes.

A expectativa dos artesãos é o aumento das vendas para o Dia das Mães. Por isso, eles investiram na produção para o sexo feminino, principalmente nos artigos do vestuário, bijouterias e decoração para o lar, além de produtos da gastronomia.

Boas vendas – A artesã Regina Bomfá, do Grupo Fazendo Arte em Economia Solidária, do Ernani Sátiro, está animada com o sucesso da Feira. Segundo ela, no segundo dia, além de vender seus produtos, ainda teve pedidos para encomendas. “Isso nos animou muito”, disse a artesã, que participa da Direcosol desde 2005. Ela trabalha com licor, pimenta decorada em vidros e outros produtos gastronômicos. “Hoje a grande novidade é o produto regional e estamos valorizando a reciclagem e a qualidade, dentro de uma proposta de meio ambiente sustentável, o que atrai o turista”, destacou.

Outra artesã otimista com a realização da feira é Marluce Vasconcelos, do Grupo Vovó Fashion, do Ernesto Geisel. Ela expõe artigos em crochê, cerâmica, bijouterias, cama e mesa, bonecos de pano, flores para o cabelo e outros. Marluce considera a feira um momento especial para vender o artesanato produzido em casa. “Todos estão vendendo bem, estamos satisfeitos, nunca tivemos tanta atenção”, considerou ela, acrescentando que a equipe da Direcosol é muito dinâmica. “Estamos sendo muito bem assistidos agora”.

Maria José do Nascimento, do Grupo Elanarte (Mandacaru –Mangabeira), está expondo variedades de produtos em pintura, bordado, cerâmica e outros. Para ela, a população está valorizando muito os trabalhos. “Estamos expondo na rua o que antes era no fundo do quintal e tendo muita repercussão junto aos turistas”, destacou ela, lembrando que essa oportunidade que a Prefeitura vem dando aos artesãos dos bairros “é louvável e está dando certo”.

A paraibana Paloma Regala, que estuda na Baixada da Diamantina, na Bahia, estava comprando produtos na feira e elogiou muito a qualidade dos produtos. “Há uma variedade de produtos e novidades e isso é o que atrai o turista”. Para ela, o artesanato da Paraíba é especial. “Vou levando muitos produtos da minha terra para fazer a propaganda na Bahia”, disse ela.

Corredor da Leitura – Desta vez, a grande atração da Feira Cidade Solidária é o Corredor da Leitura, projeto inédito da Sedes, que vem atraindo crianças, jovens e adultos. Estão sendo expostos livros, revistas e realizadas atividades lúdicas com as crianças. “A visitação ao Corredor está sendo muito boa. Até os moradores vizinhos à feira estão vindo doar e trocar livros”, disse Josalba Pinto Silva, coordenadora dos Grupos de Produção.

Ela fez uma avaliação geral da Feira, destacando que a expectativa é a melhor possível, “As vendas estão boas, os produtos recebendo grande aceitação do público, que elogia a qualidade”. Segundo Josalba, o investimento na qualidade é visível e a produção está melhorando a cada dia. “Estamos realmente fazendo a diferença, se comparada a feiras passadas”, elogiou.

Superação – Na avaliação do secretário de Desenvolvimento Social, Lau Siqueira, o projeto Cidade Solidária superou todas as expectativas enquanto instrumento real de geração de trabalho e renda através de um artesanato que busca fundamentar-se na identidade cultural do povo paraibano e nos princípios da Economia Solidária.

“Estes princípios, aliás, são inegociáveis para nós. Não queremos apenas promover geração de renda e muito menos negócios individuais. Logicamente, que até mesmo neste sentido temos muito para avançar, estamos comemorando a viabilidade do projeto e assumindo o compromisso de seguir em frente, com um plano anual de trabalho e com a possibilidade de inaugurarmos, em breve, um espaço físico em área de interesse cultural e turístico para investirmos ainda mais na perenidade desse projeto”, informou Lau Siqueira.