Feira Solidária é opção de passeio no final de semana na Capital

Por - em 56

Com a batucada do Urso Amigo, a feira de artesanato Cidade Solidária entra em ritmo de carnaval e se apresenta como uma boa opção para visitação neste fim de semana. O Urso sairá do final da Avenida Beira Rio, a partir das 18h deste sábado (28), e fará um arrastão pelo calçadão da praia, levando turistas e moradores da Capital até a tenda do circo onde está sendo realizada a feira.

Este será o penúltimo fim de semana do evento, que acontece diariamente até o dia 12 de fevereiro, das 16h às 22h, na orla de Tambaú (em frente à lanchonete Bobs), com entrada totalmente gratuita. Na feira, os visitantes poderão conferir o artesanato produzido por 33 grupos de vários bairros da Capital que trabalham em regime de economia solidária. Estes grupos são apoiados pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP), por sua Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes).

Em um primeiro balanço realizado nos dez primeiros dias da feira, mais de R$ 14 mil em produtos haviam sido comercializados. O objetivo, além de incrementar a economia destes artesãos, é divulgar suas criações que simbolizam a cultura nordestina.

O secretário de Desenvolvimento Social, Lau Siqueira, destaca que o projeto Cidade Solidária é um processo, que deverá estar sempre em desenvolvimento. “Temos um grande caminho ainda a percorrer. Nesse sentido, não temos pressa, temos convicções. Não está pronto e nunca estará porque acreditamos nos processos evolutivos da população e isso passa não somente pelo aprimoramento das técnicas do artesanato e de outras funções produtivas, mas principalmente dos modos coletivos de produção e, logicamente, não temos isso consolidado. Estamos, na verdade, semeando possibilidades para viabilizar empreendimentos que podem vir a ser de Economia Solidária”.

“Ainda temos muito a andar, mas o que está posto é que fizemos uma semeadura e pudemos provar que é viável, que é possível estimular a economia das comunidades e trabalhar politicamente para que as relações com a produção sejam mais humanas, mais alegres, mais criativas. Atualmente estamos pensando no aprimoramento deste modelo, com uma grande tenda e com outras pequenas ilhas trabalhando outros procedimentos. O que para nós é fundamental e uma questão de princípio, por exemplo, é que se trabalhe a identidade cultural que, em relação ao mercado formal, deverá ser o nosso diferencial e a marca desse projeto”, avalia Lau.

Experiência de Mercado – Segundo a artesã Maria Aparecida da Silva, a oportunidade de expor seus produtos num local com esta visibilidade tem servido como uma pesquisa de mercado para o grupo. “Temos percebido, por exemplo, que as peças menores são mais vendáveis que as maiores para os turistas que querem levar várias pequenas lembranças. Essa experiência servirá para adequarmos nossa produção ao público, em novas feiras”.

Artesã desde menina, Maria Aparecida revela que esta foi a primeira vez que expôs suas criações em um espaço tão grande, com tanta gente. “Inicialmente todas nós tivemos receio de não conseguirmos vender. Mas graças a Deus isso não aconteceu. A feira está bombando e as vendas estão muito boas. Tem sido tão boas que já pensamos em convidar mais pessoas para fazerem parte do nosso grupo e proporcionar a elas a mesma mudança que estamos tendo em nossas vidas”, destacou.

Maria Aparecida integra o grupo de produção do Centro de Referência da Assistência Social (Cras) do Cristo – Unidas por Um Fio. O grupo existe há cinco anos e é formado apenas por mulheres, com idades de 30 a 83 anos. Entre os produtos confeccionados pelo grupo estão: panos de prato, conjuntos de cozinha e de banheiro, passadeiras, blusas, tiaras, almofadas, chaveiros, enfeites de cozinha, tudo em crochê ou pintados.

Sobre a feira – O projeto Cidade Solidária vem se desenvolvendo desde 2010 em alguns espaços como a Festa das Neves, São João e em outras atividades culturais do município. A temporada da feira, em um dos pontos de maior movimento da cidade de João Pessoa, foi escolhida para dar mais visibilidade aos artesãos, num período em que a cidade está cheia de turistas.

Desde 2005, a Secretaria de Desenvolvimento Social, através da Direcosol, vem realizando atividades permanentes voltadas ao fomento da geração de trabalho e renda, com ênfase na Economia Solidária, numa ação integrada às demais políticas do Governo Municipal.