Festival Cineport começa nesta segunda e movimenta cenário cultural

Por - em 55

Nesta segunda-feira (19) João Pessoa se transforma na capital do cinema da língua portuguesa. A 5º edição do Cineport, que neste ano homenageia Cabo Verde, promete movimentar o cenário cultural e promover o intercâmbio entre mais de sete países. O público estimado para o evento é de cerca de 50 mil participantes e será realizado na Usina Cultural da Energisa até o dia 25 deste mês. A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) apoia o projeto.

Com o objetivo de integrar e promover o mercado cinematográfico dos países de língua portuguesa, o Cineport irá reunir personalidades ligadas ao audiovisual de diversos países, estimulando o intercâmbio cultural, promovendo encontros, seminários, painéis, debates, conferências, mostras, lançamentos de publicações, DVDs, filmes e vídeos.

 

Esta será a terceira edição do evento realizado em João Pessoa e faz com que o Cineport entre nos roteiros turísticos culturais da capital, que agregam conhecimento e bagagem cultural para os turistas promovendo e valorizando os atrativos turísticos regionais.

Para este ano, estão sendo esperados participantes da Angola, Cabos Verdes, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor Leste e de diversas partes do Brasil.

 

Segundo o Secretário de Turismo João Pessoa, Francisco Linhares, o evento fortalece o calendário cultural da Cidade. “O Cineport proporciona aos pessoenses e visitantes a oportunidade e a opção de participar de um evento que agrega experiências importantes dos países de língua portuguesa na promoção de um dos mais relevantes segmentos da economia criativa no mundo”, enfatiza Linhares.

O Cineport é realizado pela Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, patrocinado pela Energisa por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e tem o apoio pelo Governo do Estado da Paraíba e da Prefeitura de João Pessoa.

Turismo – Durante o evento, a Setur em parceria com a PBTUr, disponibilizarão Posto de Informações Turísticas (PITs), com objetivo de auxiliar as pessoas que visitam a cidade, tirando as dúvidas mais freqüentes e dando informações sobre a história, localização de meios de hospedagem, agenciamento, alimentação, transportes e os principais atrativos de João Pessoa.

Filmes concorrentes – Neste ano, a escolha prévia dos vencedores do Troféu Andorinha Longa aconteceu por meio de um júri composto por renomados críticos de cinema e jornalistas da área: Carlos Alberto Mattos, que presidiu os trabalhos, José Geraldo Couto, Marcelo Miranda e Renato Félix, representantes do  Brasil; e Luisa Sequeira, Carla Fernandes, Rui Tendinha e António Loja Neves, representantes de Portugal e África.

Já os filmes da Competição Troféu Andorinha Curta foram selecionados por um júri formado pelo cineasta e documentarista Marcos Pimentel, que presidiu os trabalhos; pelo cineasta Rafael Conde; pelo jornalista Fernando Trevas e pelo cinéfilo Alexandre Moreira.

Nas categorias animação, documentário e ficção foram selecionados 33  filmes, que serão apreciados durante o Festival por um júri composto por Antônio Loja Neves da África, Kátia Machado do Brasil e Kátia Salgueiros de Portugal.

Os filmes inscritos para o Prêmio Energisa Estímulo ao Audiovisual Paraibano serão exibidos e analisados também durante o Festival. O vencedor será julgado por uma comissão formada por Rodrigo Areia de Portugal, Luís Carlos Lacerda e Carlos Alberto Matos, ambos do Brasil.

Homenageada – Com 17 anos de carreira, Sara Tavares possui uma identidade musical capaz de integrar diversos elementos sejam eles africanos, portugueses ou, simplesmente, universais. Partindo da música soul americana que cantava na adolescência, ela passou pela intensidade espiritual do gospel até chegar a uma sonoridade muito própria ou mesmo única. Hoje, é uma das maiores representantes de uma musicalidade que nasce em Lisboa, mas que se inspira no passado africano.

 

 

PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA DO CINEPORT

DIA 19 – SEGUNDA FEIRA

19h30

Inauguração da Sala Vladimir Carvalho

O Festival Cineport inaugura na Usina Cultural ENERGISA a sala Vladimir Carvalho. A sala é uma homenagem ao cineasta e documentarista paraibano, que integrou o movimento Cinema Novo, tornando-se um dos mais importantes cineastas brasileiros pela sua cinematografia documentária inovadora.

19h45

Livraria da Usina

 

Lançamento do Livro

Um Olhar na Música Popular – Cristina Granato

O livro comemora as três décadas de vida profissional da jornalista e fotógrafa Cristina Granato, detentora de uma obra documental de alta relevância sobre a vida musical e cultural carioca. As imagens registradas por Cristina contam a história da música popular brasileira nos palcos do Rio de Janeiro desde 1978.

20h00

Sala Vladimir Carvalho

Sessão Prêmio ENERGISA – FIC

Negócio de menino com menina, de Marcus Vilar – 8’

As folhas, de Deleon Souto –14’

Borra de café, de Aluizio Guimarães – 18’

Antoninho, de Laércio Ferreira – 24’

Um céu de boca beijada, de Pablo Maia – 7’

Cinemameu, de Rodrigo A. Quirino – 13’

Escravos de Jô, de Daniel Araújo Rodrigues – 20’

 

Tenda Andorinha

Abertura do Festival CINEPORT

PARAIWA – Pontão de Cultura da Caatinga

O PONTÃO DE CULTURA DIGITAL  – MULTIVISUALNET CAATINGA é um projeto do PARAIWA – COLETIVO DE ASSESSORIA E DOCUMENTAÇÃO com o patrocínio do Ministério da Cultura – Secretaria de Cidadania Cultura – Programa Cultura Viva, que tem o objetivo capacitar 105 jovens e 35 professores, em Tecnologia da Informação e Comunicação, capacitando-os no uso de recursos da linguagem audiovisual, de 6 municípios da Paraíba e 1 de Pernambuco, produzindo conteúdos multimídia sobre o Bioma Caatinga.

Filme – Catolé do Rocha – Casa do Beradêro – 5’

Cabo Verde – País Homenageado

Fragmentos de Mindelo

Mindelo é a capital cultural de Cabo Verde. Gerações de escritores, pintores, cantores, intelectuais constituiram ao longo do tempo a expressão máxima da arte e do pensamento cabo-verdiano. Fragmentos da vida de seus habitantes revelam a força de sua história, a beleza de sua criatividade e sobretudo a resistência contra os flagelos da vida mindelense, porto de encontro de diversas nacionalidades. Dona Valentina é uma sábia senhora cuja vida se confunde com a própria história recente do país; Ribeira Bote, zona marginalizada que se proclama o estopim da independência nacional; Trazêm um Cosa narra através de um bidón as relações com os vários nós da diáspora cabo-verdiana; Piknim Senegal traz os encontros culturais entre os senegaleses diaspóricos e os habitantes da ilha; Mandingas, a expressão carnavalesca mais emblemática de Cabo Verde; Casalata, conta-nos dos mindelenses que fazem com lata o seu espaço de moradia e de vida. DURAÇÃO: 75 min

22h00

Sala Vladimir Carvalho

Sessão Prêmio ENERGISA – FIC

PARAIWA – Pontão de Cultura da Caatinga

Filme – Movimento estudantil de 69 – 5’

Metafísica, de Eduardo Gomes – 12’

Direita, de Marcelo Quixaba Gonçalves – 5’ 13”

Viventes, de Jacinto Moreno – 18’

Na companhia dos faisões, de Silvio Sá – 17’

P.S. Dama, de Everaldo Vasconcelos – 27’

Mais denso que sangue, de Ian Abe – 15’

O hóspede, de Anacã Agra e Ramon Porto Mota – 17’

Tenda Andorinha

Sessão Andorinha Filme Vencedor

Melhor ATRIZ COADJUVANTE – CATARINA WALLENSTEIN (PORTUGAL)

Filme – Um amor de perdição

 

Esta poderia ser a história de um encontro entre Simão (Tomás Alves) e Teresa (Ana Moreira), sob fundo de conflito entre duas famílias da burguesia portuguesa. Simão é um adolescente quase criança, solitário, intransigente, narcisista, destrutivo e suicida que atrai como uma aura fatal, uma luz negra, a maior parte das pessoas com quem se cruza. Mas Teresa existe, ou é apenas uma idéia, uma imagem, um reflexo? Teresa é uma aparição. Um pretexto para uma revolta amoral e violenta, para Um amor de perdição.

23h00

Tenda Música

Show

Udigrudi Paraibano Livre

O músico FábbioQ e a jornalista Olga Costa apresentam show com um time de músicos do Udigrudi paraibano no palco do Cineport.

Filmes concorrentes

Neste ano, a escolha prévia dos vencedores do Troféu Andorinha Longa aconteceu por meio de um júri composto por renomados críticos de cinema e jornalistas da área: Carlos Alberto Mattos, que presidiu os trabalhos, José Geraldo Couto, Marcelo Miranda e Renato Félix, representantes do  Brasil; e Luisa Sequeira, Carla Fernandes, Rui Tendinha e António Loja Neves, representantes de Portugal e África.

Já os filmes da Competição Troféu Andorinha Curta foram selecionados por um júri formado pelo cineasta e documentarista Marcos Pimentel, que presidiu os trabalhos; pelo cineasta Rafael Conde; pelo jornalista Fernando Trevas e pelo cinéfilo Alexandre Moreira.

Nas categorias animação, documentário e ficção foram selecionados 33  filmes, que serão apreciados durante o Festival por um júri composto por Antônio Loja Neves da África, Kátia Machado do Brasil e Kátia Salgueiros de Portugal.

Os filmes inscritos para o Prêmio Energisa Estímulo ao Audiovisual Paraibano serão exibidos e analisados também durante o Festival. O vencedor será julgado por uma comissão formada por Rodrigo Areia de Portugal, Luís Carlos Lacerda e Carlos Alberto Matos, ambos do Brasil.

Homenageada

Com 17 anos de carreira, Sara Tavares possui uma identidade musical capaz de integrar diversos elementos sejam eles africanos, portugueses ou, simplesmente, universais. Partindo da música soul americana que cantava na adolescência, ela passou pela intensidade espiritual do gospel até chegar a uma sonoridade muito própria ou mesmo única. Hoje, é uma das maiores representantes de uma musicalidade que nasce em Lisboa, mas que se inspira no passado africano.