‘Fragmentos de um Sol Quente’ é reencenado para ajudar vítimas da seca

Por - em 76

O espetáculo Fragmentos de um Sol Quente, baseado no famoso painel ‘No Reinado do Sol’, de Flávio Tavares, entra em cartaz nesta quinta-feira (29), sexta (30) e sábado (1°), no auditório da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes. Escrita e dirigida por Flávio Melo, a peça é resultado do núcleo de teatro pelo qual 22 atores passaram. A encenação começa às 20h. A entrada custa um quilo de alimento não-perecível, que será doado às entidades vinculadas à campanha Natal Sem Fome dos Sonhos.

“Estamos aproveitando o fato de a Estação ser um espaço permanentemente voltado à cultura e educação, para também despertarmos o sentido solidário nas pessoas. Em relação ao espetáculo, a minha ideia não era fazer uma adaptação fiel da narrativa do painel, e sim desenvolver uma liberdade poética em cima dessas duas referências, a pictórica e a literária”, afirmou Flávio Melo.

Por isso, o diretor justifica haver quebras na linearidade cronológica, bem como na escolha de apenas algumas personagens presentes na pintura, como Augusto dos Anjos, José Lins do Rêgo, Ariano Suassuna e Manuel Caixa D’Água. “Os atores entram e saem de cena como uma tela em branco que de repente vai ganhando vida”, explica.

Elementos externos ao quadro também compõem a ‘liberdade criativa’ reivindicada pelo diretor. “Há fatos da história política e indígena do Nordeste dos coronéis, festas populares, folclore, o artesanato brasileiro, a literatura de cordel, as artes plásticas e a antropofagia da Semana de Arte Moderna de 1922”, cita.

O próprio Flávio Tavares está representado de duas formas: como pintor, preocupado pelo esvaziado de ideias (Fagner Ribeiro), e na de inconsciente materializado de menino (Rodrigo Batista), cheio de inspiração e criatividade. Os dois, em sua completude, formam a genialidade que culmina na criação de ‘No Reinado do Sol’. “Tem sido uma experiência enriquecedora e, ao mesmo tempo, um desafio participar deste espetáculo por se tratar de uma obra tão complexa que, além de fazer um relato histórico-geográfico atemporal, apresenta personagens que marcaram a mente de muitos pessoenses”, declarou Fagner, o protagonista.

Espetáculo – Fragmentos de um Sol Quente também tem influência do texto ‘Manaíra e Tambaú, uma história de amor’, assinado por Antônio dos Santos, o Chuá.

O espetáculo conta a história da fundação de João Pessoa, partindo do romance proibido entre dois jovens indígenas de tribos inimigas, a potiguara Manaíra e o tabajara Tambaú. Daí em diante, uma sequência dos principais episódios da história paraibana é encenada, como o Massacre de Tracunhaém (que gerou a divisão da capitania de Itamaracá), a independência da colônia, a expulsão dos holandeses e todo o itinerário que nos leva do passado (a esquerda do quadro) para os tempos atuais (à direita), onde se situa a cidade crescida arquitetonicamente, dos casarões às festas de rua.

Flávio Melo – Formado em Educação Artística pela Faculdade Marcelo Tupynambá (SP), dirigiu os espetáculos Valsa n° 6 (1991), Ratos de Esgotos (1992), Prêt-à-Porter (1998), No Amanhecer da Noite (2003) e As Meninas (2009). Atuou em espetáculos como Cinco Bulas sem Contraindicação (1993), Pequenos Burgueses (1996), Gol Anulado (1997), Prêt-à-Porter (1998), Fragmentos Troianos (1999), Achados e Perdidos (2000), No Amanhecer da Noite (2003), A Fantástica Peregrinação do Coronel atrás de um Rabo de Saia (2008), Paixão do Menino Deus (2009), Os Sete Mares de Antônio (2010) e Divino Calvário (2011).

Serviço:

Espetáculo “Fragmentos de um Sol Quente”

Dia: quinta (29), sexta (30) e sábado (1°)

Horário: às 20h
Local: Auditório da Estação Cabo Branco
Fones: 3214-8270 ou 3214-8303
Informação: Flávio Melo, diretor do espetáculo (8795-0931)
Entrada: 1 kg de alimento não-perecível

Twitter: @estacaocb