Fundação avaliará Capital enquanto destino turístico

Por - em 45

Os serviços oferecidos pelo setor turístico de João Pessoa vão passar por uma avaliação, que tem a finalidade de aferir as condições de infra-estrutura, sustentabilidade, políticas públicas, economia e a própria atividade de turismo como um todo. Para realizar esse estudo, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro está enviando à Capital paraibana a técnica Cristina Massari, que chega à cidade no próximo dia 10.

O motivo da vinda da especialista está relacionado à escolha da Capital como um dos 65 destinos indutores do País pelo Ministério do Turismo, que mantém convênio com a FGV para viabilizar o estudo de competitividade, com um aporte de recursos de R$ 1 milhão para as atividades.

Para ser considerado um destino indutor, o município deve possuir infra-estrutura básica e turística, ter atrativos qualificados e ser um núcleo receptor e distribuidor de fluxos turísticos. Para realizar a pesquisa em João Pessoa, a FVG vai contar com o apoio da Secretaria Executiva de Turismo (Setur) do município.

A escolha
– Os 65 destinos foram selecionados a partir da necessidade identificada pelo MTur de priorizar destinos capazes de promover o desenvolvimento da região em que estão inseridos. Essa ação possibilita o alcance da meta do Plano Nacional de Turismo 2007-2010 de trabalhar esses locais para adquirirem um padrão de qualidade internacional.

Por meio do Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil, os estados e o Distrito Federal indicaram 87 roteiros considerados em estágio avançado de organização. Desses, foram selecionados 65 destinos capazes de induzir o desenvolvimento regional.

O Programa de Regionalização propõe que esses destinos sejam prioridade para receber investimentos técnicos e financeiros. Além disso, eles serão foco de articulações e busca de parcerias com outros ministérios e instituições. A seleção dos 65 destinos seguiu critérios técnicos, mas também considerou que todas as Unidades da Federação e suas capitais deveriam ser contempladas. Além disso, um único estado poderia ter no mínimo um e no máximo cinco destinos.