Galeria Caixa Brasil expõe obras na Estação Cabo Branco

Por - em 23

Galeria Caixa Brasil expõe
obras na Estação Cabo Branco
 
Obras de Di Cavalcanti, João Câmara, Ivan Freitas, Chico Pereira, Mestre Justino, Angelo de Aquino e Floriano Teixeira vão estar expostas no segundo pavimento da Torre Mirante da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. As obras fazem parte da Galeria Caixa Brasil, acervo artístico da Caixa Econômica Federal (CEF), que este ano comemora 150 anos com exposição simultânea em 27 capitais brasileiras.

Em João Pessoa, a mostra será oficialmente aberta nesta sexta-feira (5), às 19h, e ficará exposta para visitação pública no local até o dia 28 de novembro. A abertura das 27 exposições ocorrerá também em homenagem ao Dia Nacional da Cultura Brasileira.

Na Estação Cabo Branco estarão expostas pinturas utilizando várias técnicas em óleo sobre tela, acrílica, metal em policromia, litografia, acrílica sobre madeira e serigrafia em policromia. No segundo pavimento, o público vai encontrar 20 obras de arte de nomes conhecidos, a exemplo do paraibano Ivan Freitas, com “Noturno em Azul”, em óleo sobre tela, produzida em 1960.

Di Cavalcanti – A segunda tela mais antiga exposta nesta mostra é “A Mulata II”, de Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque Melo, uma serigrafia em policromia datada de 1965. Di Cavalcanti, como era mais conhecido, foi um importante pintor, caricaturista e ilustrador brasileiro, que nasceu no Rio de Janeiro em 1897.

Seu primeiro trabalho como caricaturista foi para a revista Fon-Fon, no ano de 1914. Em 1927, mudou-se para a cidade de São Paulo, onde fez a primeira exposição individual para a revista A Cigarra. Ilustrou o livro “Carnaval”, de Manuel Bandeira e participou da Semana de Arte Moderna de 1922, expondo 11 obras de arte e elaborando a capa do catálogo. Em 1923, foi morar em Paris como correspondente internacional do jornal Correio da Manhã. Retornou para o Brasil dois anos depois e foi morar na cidade do Rio de Janeiro.

Fez a ilustração da capa do livro “O Losango de Cáqui”, de Mário de Andrade; participou como ilustrador e jornalista do jornal Diário da Noite; colaborou como desenhista no Teatro de Brinquedo e pintou a Via-Sacra para a catedral de Brasília. No período de 1936 a 1940 morou na Europa e recebeu várias medalhas e prêmios no Brasil e no exterior. Morreu em 26 de outubro de 1976 na cidade do Rio de Janeiro.

Di Cavalcanti possui um estilo artístico marcado pela influência do expressionismo, cubismo e dos muralistas mexicanos, entre eles, Diego Rivera. Abordou temas tipicamente brasileiros, como o samba, e retratou o cenário geográfico brasileiro, a exemplo das praias. Em suas obras são comuns os temas sociais do Brasil (festas populares, operários, as favelas, protestos sociais, etc).

Outros destaques – Também pode ser vista nesta mostra a obra “Homenagem à Loucura,” de autoria de Angelo de Aquino, que utiliza a técnica mista. Na exposição Galeria Caixa Brasil de João Pessoa, o visitante vai encontrar ainda obras de artistas plásticos paraibanos como Chico Pereira, com a tela “A Corte”, e Ivan Freitas, um dos expoentes das artes plásticas de nosso Estado. É ele o autor do mural de mais de mil metros quadrados localizado na parede externa da Escola Nacional de Música, no Rio de Janeiro, feito em 1984, o primeiro do Projeto Arte nos Muros.

Outro destaque desta mostra é a tela “Balada do Terror”, uma xilogravura em policromia de autoria de Maria Bonomi, uma renomada artista plástica ítalo-brasileira. Gravadora, escultora, pintora, muralista, curadora, figurinista, cenógrafa e professora, Maria Bonomi veio para o Brasil em 1946, fixando-se em São Paulo. É neta de Giuseppe Martinelli, construtor do primeiro arranha-céu da América Latina, o Edifício Martinelli, datado de 1929. A artista foi uma das personagens reais retratadas pelos autores Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral na minissérie “Um Só Coração”, exibida em 2004 pela Rede Globo, tendo sido interpretada pela atriz Maria Luísa Mendonça.

A curadora geral da Estação Cabo Branco, Lúcia França, explicou que as obras que ficarão expostas em João Pessoa são do período modernista, que consiste em um conjunto de movimentos culturais, escolas e estilos que permearam as artes e o design da primeira metade do século XX.

Seleção popular – No local também haverá uma urna para que o público visitante possa votar nas três obras de arte preferidas. No final da exposição, as três peças eleitas em cada Capital, totalizando 81, irão compor cinco novas exposições fruto da preferência popular, que podem ser visitadas nos cinco espaços da Caixa Cultural pelo país em janeiro de 2011, quando a Caixa Econômica Federal comemora seus 150 anos.

Projeto Caixa Cultural – Consiste numa jornada de artes visuais com mais de 600 obras, das mais de mil que compõem o acervo da instituição, que estarão expostas em 27 capitais brasileiras. Aspectos relacionados à segurança das obras, à adequação técnica dos espaços expositivos e à acessibilidade foram considerados na definição das parcerias que viabilizaram a abertura da mostra em cidades onde ainda não existem unidades da Caixa Cultural.

Acervo artístico – A Caixa Econômica Federal (CEF) possui um acervo artístico composto por quase duas mil obras entre pinturas, esculturas, tapeçarias, fotografias e gravuras. A formação desse acervo deu-se por aquisições de coleções temáticas – que tem como marco o ano de 1968, quando a Caixa começou a encomendar obras de renomados artistas brasileiros; pela incorporação de 246 obras do acervo do extinto Banco Nacional da Habitação (BNH), em 1986; passando pela aquisição da Coleção Brasília, em 1987, a coleção do V Centenário em 1998/9 e, também, por doações de artistas expositores.

O Acervo da Caixa abrange um longo período das artes plásticas no Brasil, estando representadas pelo acervo quatro gerações de artistas brasileiros, formando um amplo quadro da diversidade de escolas e tendências que marcam a produção dos últimos 100 anos. As obras do Acervo Caixa são exibidas em mostras nas Galerias da Caixa Cultural e em museus de diversas cidades brasileiras que ofereçam condições exigidas de iluminação, segurança e climatização. 

SERVIÇO:
GALERIA CAIXA BRASIL
Abertura: Sexta-feira (5)
Hora: 19h
Visitação: de 06 a 28 de novembro
Visitação: Terça a sexta-feira – 9h às 21h
Sábado e domingo – 10h às 21h
 
CONTATO PARA A IMPRENSA
Lúcia França – Curadora geral da Estação Cabo Branco
Fones: 9985.2725 – 8708.9445
Email: luciafranca1@gmail.com