Gestantes terão apoio e cuidado de voluntárias no Hospital Cândida Vargas

Por - em 100

Cuidar das mulheres no período que antecede, durante e após o parto, com objetivo de humanizar o procedimento nos hospitais. Esta é uma das propostas a serem desenvolvidas pela primeira turma de Doulas Comunitárias Voluntárias do Hospital Cândida Vargas, que recebeu seu certificado nesta quarta-feira (07). O curso é uma realização da Prefeitura de João Pessoa, da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres (SPPM) por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e é destinado a capacitar as mulheres que acompanham mães antes durante e depois do parto. A solenidade ocorreu no auditório do Hospital Cândida Vargas.

De acordo com Meirhuska Meira, coordenadora da área temática Saúde da Mulher, a formação da primeira turma de doulas no município é um elemento de assistência adicional para que as mães se sintam mais à vontade nos ambientes hospitalares. Um total de 17 mulheres participaram do primeiro módulo, que teve início em dezembro.

Na solenidade o prefeito Luciano Agra enfatizou a importância do Instituto Cândida Vargas no desenvolvimento e gestão de mais esta participação voluntária na gestão. “O ICV é reconhecido como o melhor Hospital Norte Nordeste em obstetrícia. O mais importante nesta iniciativa é que é possível unir a humanização e o aparato técnico e científico, dando um melhor atendimento à população”, afirmou o prefeito.

Redução de risco – A secretária municipal de Saúde Roseana Meira lembrou que a presença das doulas reduz 50% dos índices de letalidade das mães durante o parto e reduz em 25% o tempo de duração do procedimento, além de minimizar em40% o uso do fórceps. “A gestão e os profissionais do Cândida Vargas recebem de braços abertos este trabalho voluntário tão importante para dar força e acolheras mulheres num momento tão sensível de suas vidas”, ressaltou Roseana.

“Antigamente o parto acontecia na intimidade de casa, próximo ao aconchego emocional da família e com ajuda de mulheres experientes. Com o tempo o parto tornou-se hospitalar, medicalizando e visto como doença, com procedimentos invasivos e equipe especializada”, destacou Meirhuska. “No ambiente hospitalar a dor, o medo e a ansiedade tendem a aumentar. A presença da Doula neste espaço ajuda a suprir a necessidade de emoção e afeto que a mulher precisa no momento do parto”, explica a coordenadora.

O papel da doula – A doula oferece apoio emocional durante o trabalho de parto, parto e pós-parto, proporcionando conforto físico a mulher em trabalho de parto, como segurar a mão, massagear as costas e caminhar. A Doula ajuda também encontrar posições confortáveis para o trabalho de parto e mostra formas eficientes de respiração, consolidando-se numa presença amigável e constante para a mulher em trabalho de parto e seus familiares, além de servir de elo entre a parturiente, os profissionais e os familiares.

A doula não é uma profissional de saúde, não faz procedimento médico e o Ministério da Saúde reconhece e incentiva sua presença para a humanização do parto e nascimento, tendo em vista que esta pode estar presente no pós-parto, auxiliando a mãe no seu contato com o recém-nascido e com a amamentação. A presença da doula no parto ajuda a reduzir os índices de cesariana, a redução do trabalho de parto e a incidência de depressão pós-parto.