Grupos culturais agitam a Estação Cabo Branco

Por - em 36

Como tem ocorrido desde a inauguração, a Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes reserva ao público de João Pessoa, mais um fim de semana movimentado com atrações culturais, além das exposições permanente de artes que o complexo arquitetônico assinado por Oscar Niemeyer exibe diariamente aos visitantes. Nestes sábado (6) e domingo (7), um grupo de percussão e outro de dança, respectivamente, agitam o local que tem se constituído em ponto de encontro da população da Capital.

O grupo de percussão ‘Latocando’, da Comunidade de Nazaré, localizada no bairro Funcionários III, será a atração musical deste sábado (6) no Anfiteatro da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, a partir das 16h30. Cerca de 20 jovens participam do projeto que é realizado desde o ano de 2006 como uma alternativa de motivar e descobrir talentos e habilidades de crianças e adolescentes daquela comunidade, no intuito de sair da rotina e ocupar o tempo com habilidades construtivas e educativas.

De acordo com o educador Cleber Amaro, o trabalho com essas crianças e adolescentes foi iniciado a partir da realização de oficinas de percussão aproveitando latas, baldes e tambores de lixo. “Isso veio despertar um grande empenho dos participantes, que aos poucos foram descobrindo o interesse pela música, pelos ritmos e danças”, disse.

Amaro informou que o ‘Latocando’ fez sua primeira apresentação na indústria Alpargatas, evento que chamou à atenção de seus dirigentes da empresa para a realidade dos adolescentes, e a fábrica decidiu abraçar a causa. A parceria foi firmada entre a empresa e a Prefeitura de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) e Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti).

“Isso deu visibilidade ao grupo por meio do fardamento e adereços e resgatou a auto-estima dos participantes, melhorando a aprendizagem na escola, o relacionamento com seus colegas e educadores. Durante dois anos, a banda já realizou apresentações em eventos, encontros, colégios, praças e hotéis, deixando uma mensagem de amor, vida e incentivo para o despertar através da música, o direito de sonhar com um mundo melhor”, revelou o educador.

Grupo de dança – No domingo (7), também no Anfiteatro e a partir das 16h30, os visitantes da Estação Cabo Branco poderão apreciar o trabalho desenvolvido pelo grupo cultural da ONG Dom Hélder, do Conjunto Mário Andreazza, em Bayeux-PB, que existe desde 1999. A apresentação constará de danças, capoeira e maracatu por 20 das 220 crianças e adolescentes (meninos e meninas) atendidos pelo projeto ‘O futuro depende de nós’, financiado por instituições internacionais e outras parcerias.

Segundo o coordenador Luciano Oliveira, o projeto promove a defesa e garantia dos direitos das crianças e adolescentes da comunidade, contribuindo para seu desenvolvimento integral (físico, mental, moral, espiritual, emocional e social) e a formação da cidadania, além da redução dos índices de envolvimento desse público com drogas, violência e marginalidade.

“Nesta apresentação queremos divulgar para a sociedade uma amostragem dos resultados alcançados no Centro Dom Hélder, através das atividades educacionais, esportivas, culturais e de comunicação, além do acompanhamento psicossocial tanto das crianças como de suas famílias, assessoria jurídica, reforço alimentar, formação humana e política para educadores e adolescentes, entre outras”, completou.

Visitação – Desde a inauguração, aproximadamente 12 mil pessoas já visitaram as instalações da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, localizada no Altiplano Cabo Branco. Mais de cem escolas das redes municipal e privada de ensino também já levaram seus alunos ao local, para cumprir atividades extraclasses.

Outros grupos sociais, ONGs e turistas em geral já passaram por lá e um maior número de pessoas tem comparecido nos finais de semana, visitando as exposições de artes e fotografias e participando de programas e atrações culturais gratuitas oferecidas pela Estação.