Guardas comunitários fazem curso sobre direitos de crianças e idosos

Por - em 26

Os novos guardas municipais integrantes do projeto-piloto ‘Guarda Comunitária’, que será desenvolvido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) a partir do próximo mês de maio, participaram de um treinamento sobre direitos de crianças, adolescentes e idosos, na manhã desta quinta-feira (17). O curso faz parte da formação de guarda comunitário e foi ministrado pelos curadores do Ministério Público Estadual, Valberto Lira e Alley Escorel, na sede da Guarda Municipal, localizada à Avenida Goiás, no Bairro dos Estados.

O curador do Cidadão, Valberto Lira, abordou questões ligadas principalmente aos direitos dos idosos e como os novos guardas municipais devem lidar ao se deparar com uma situação de desrespeito ou violência contra pessoas com mais de 60 anos. Já na segunda palestra do dia, o promotor da Infância e Juventude, Alley Escorel, mostrou como funciona a rede de proteção e garantia dos direitos de crianças e adolescentes, destacando que os novos guardas fazem parte desse aparato.

Programa – O treinamento – que tem duração de 150 horas/aulas – teve início no dia 31 de março, com palestras e atividades práticas, ministradas e orientadas por especialistas em direitos humanos, meio ambiente, questões de gênero, direito aplicado, defesa pessoal e doutrina da Guarda Municipal. Estão programados cursos sobre policiamento comunitário, ética profissional, mídia e violência, entre outros temas ligados à formação de um guarda comunitário. Participam do treinamento 30 pessoas, 26 homens e quatro mulheres. O treinamento prossegue até o próximo dia 15 de maio.

O superintendente da Guarda Municipal, coronel Maquir Cordeiro, disse que o treinamento é ministrado por especialistas. “Estamos buscando uma formação de profissionais voltada para uma atuação mais integrada com a comunidade e palestras com esse conteúdo e proferidas por pessoas desse nível são essenciais para esse fim”, destacou.

Projeto-piloto – O chefe de gabinete da GM, coronel João Batista, explicou que o projeto ‘Guarda Comunitária’ vai funcionar como uma experiência para a Prefeitura de João Pessoa (PMJP), com o objetivo de reduzir a criminalidade na cidade. Esses 30 primeiros guardas vão atuar no Residencial Gervásio Maia que, segundo estimativa do coronel, conta com pelo menos cinco mil pessoas transferidas de acampamentos de várias partes da cidade.

“Teremos uma base no Gervásio Maia, com viatura e rádios ligados com a Polícia Militar. O guarda comunitário vai atuar junto à população, antecipando problemas que possam facilitar a violência, como por exemplo, a necessidade de iluminação pública, a existência de terrenos baldios e áreas desabitadas, crianças soltas nas ruas, desemprego e outras questões sociais que possam resultar em ameaça à segurança pública”, explicou.