Hospital Santa Isabel apresenta resultados acima da média em projeto com equipe do Albert Einstein

Por Rebeka Paiva - em 274

D R T . R J . Ivomar Gomes Pereira.

O Hospital Municipal Santa Isabel (HMSI), único da Paraíba selecionado para participar do Programa de Apoio e Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi – SUS), recebeu, nesta quarta-feira (14), a visita de profissionais do Hospital Israelita Albert Einstein, que tem sede em São Paulo. A equipe veio avaliar o trabalho desenvolvido no programa, através do projeto Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil.

Desde que o projeto começou no HMSI, em 2017, os casos de infecção hospitalar na unidade foram reduzidos, sendo em 70% as infecções do trato urinário (ITU), 60% as infecções da corrente sanguínea e em 25 % as infecções de pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV). A meta do programa é reduzir em 50% até o final de 2020, cada tipo de infecção.

“O Hospital Santa Isabel surpreende por ser um hospital público e apresentar os resultados que apresenta. O projeto está um pouco além da metade do tempo previsto e o hospital já alcançou praticamente todas as metas, o que nos deixa muito contentes”, destaca Cristiana Costa Gomes, médica infectologista e especialista no modelo de melhoria aplicada no projeto de redução de infecções do Proadi – SUS.

O HMSI recebe visitas periódicas da equipe do Albert Einstein, um dos tutores do projeto, que orienta as diversas formas de manter a segurança do paciente ao reduzir esses três tipos de infecções. Por meio do projeto, com o apoio do Núcleo de Segurança do Paciente, os profissionais do hospital, principalmente os que atuam nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), recebem orientações e treinamentos com intervenções diárias no cumprimento de padronizações dos protocolos que trazem medidas para reduzir as infecções.

“O projeto tem como principal objetivo melhorar a qualidade da assistência na UTI reduzindo os números de infecções e ele faz isso trabalhando as formas de atuação dos profissionais, reeducando-os para mudanças de atitudes e de algumas culturas que hoje em dia já não são as mais adequadas”, comenta a diretora do Hospital Santa Isabel, Dorinha Macedo.

Cristiana Costa Gomes explica que as melhorias refletem diretamente na qualidade de assistência prestada ao paciente. “Não tendo infecção, [o paciente] tem menos dor e fica menos tempo internado, voltando mais cedo para a família e atinge na experiência de quem cuida, melhorando o processo de trabalho dos profissionais que estão diretamente ligados aos pacientes da UTI; impacta em custo, uma vez que se não tem a infecção, não é necessário usar antibióticos e outros medicamentos; e impacta para a comunidade, já que o modelo que está sendo feito no hospital pode servir de exemplo para outras unidades hospitalares”, explica à infectologista.

Projeto – O HMSI recebe a tutoria do Hospital Albert Einstein com visitas presenciais a cada quatro meses. Além do Hospital Santa Isabel, integram o projeto de Segurança do Paciente em Larga Escola outros 119 hospitais de todo o país. Desses, o hospital da rede municipal de saúde de João Pessoa está entre as 20 unidades que tem alcançado mudanças na redução das infecções.