Inauguração: Crei vai abrigar 100 crianças do Cidade Verde

Por - em 24

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP) inaugura, às 10h desta quinta-feira (27), o terceiro de um conjunto de 11 Centros de Referência em Educação Infantil (Crei) que o Governo Municipal quer entregar até junho deste ano à população. O Crei Maestro Pedro Santos vai abrir mais 100 vagas para acolher crianças entre 2 e 6 anos, que moram no Conjunto Cidade Verde, em Mangabeira. O Município mantém 32 creches em funcionamento, atendendo cerca de 3.200 meninos e meninas.

A secretária municipal de Educação e Cultura (Sedec), Ariane Sá, disse que a Prefeitura investiu R$ 419 mil na construção e mobiliário da creche-escola do Cidade Verde, que tem quatro salas de aula, refeitório/recreio coberto, administração, rouparia, banheiros, cozinha, área de serviço e sala técnica. A unidade vai funcionar das 7h às 17h, de segunda a sexta-feira, oferecendo atividades pedagógicas e recreativas, cinco refeições diárias e cuidados de higiene.

Este ano, a Prefeitura inaugurou outras duas creches do mesmo padrão, sendo uma no bairro do Altiplano e a outra no Bessa. A secretária Ariane Sá lembrou que as creches municipais não só se responsabilizam pela guarda das crianças, enquanto seus pais trabalham, mas também oferecem as condições pedagógicas necessárias ao processo de letramento. “Os meninos e meninas saem da creche prontos para ser alfabetizados, familiarizados com as linguagens matemática e portuguesa”, disse.

Além de professores, os Creis mantêm no quadro de profissionais monitores, berçaristas (nas 13 creches que têm berçários) lactaristas, cozinheiras, lavadeiras, auxiliares de serviço, psicólogas, assistentes sociais, pedagogos e nutricionistas.

O homenageado – Pedro Santos era professor, jornalista, regente de coral e orquestra, fez música para teatro e cinema, tendo participado de vários projetos nessas áreas. Portador de vastos conhecimentos teóricos e práticos, sua atuação como vanguada cultural era bastante respeitada, sendo reverenciada até pelos mais ferrenhos opositores ideológicos. Foi responsável por iniciativas pioneiras, como a criação do Núcleo de Documentação Cinematográfica (Nudoc) da UFPB.

Nasceu em Manaus em 28 de janeiro de 1932. Muito jovem, ingressou em seminário católico e sob a disciplina que a instituição impunha, tornou-se portador de diversificados conhecimentos. A condição de seminarista lhe abriu espaços para estudos e atividades ligadas à música. Entre outras escolas de música, estudou no Instituto Villa Lobos e no Conservatório Nacional. Foi aluno de Heitor Villa Lobos.

Chegou à Paraíba em 1958, onde se fixou por opção. Como músico, foi fundador do Coral Universitário, do Madrigal Paraíba, Coral da Telpa, Coral da Ibrave. Foi regente da Orquestra Sinfônica do Estado e da Orquestra de Câmara. Exercia a regência do Madrigal Paraíba e do Coral da Telpa, quando veio a falecer em 29 de agosto de 1986.