Instituto descarta doença em professor sob suspeita na Capital

Por - em 20

O Instituto Evandro Chagas descartou a possibilidade de o professor de 31 anos, que estava em monitoramento em João Pessoa, ter contraído a Influenza A (gripe A). O instituto é o laboratório referência no Norte e Nordeste para exames que comprovem a doença. A notícia foi dada no final da manhã desta quinta-feira por uma equipe do Instituto Evandro Chagas à diretoria de Vigilância à Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa.

O professor de 31 anos foi internado depois de sentir alguns dos sintomas da Gripe A e de ter entrado em contato com um brasileiro que mora nos Estados Unidos da América e que passou uma semana no Brasil. Com esta notícia, nenhum caso est em monitoramento ou sob suspeita na capital paraibana.

Saiba mais sobre a Influenza A

São considerados CASOS SUSPEITOS:
– Pessoas que apresentarem febre alta de maneira repentina (acima de 38ºC) e tosse, podendo estar acompanhadas de algum dos seguintes sintomas: dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, dificuldade respiratória;
– E ter apresentado sintomas até 10 dias após sair de países que reportaram
casos pela Influenza A (H1N1);
– Ou ter tido contato próximo*, nos últimos 10 dias, com uma pessoa classificada como caso suspeito de infecção humana pelo novo subtipo de Influenza A (H1N1).

* Para o Ministério da Saúde, contato próximo é a pessoa que cuida, convive ou teve contato direto com secreções respiratórias ou fluidos corporais de um caso suspeito.

São considerados CASOS EM MONITORAMENTO:
– Pessoas procedentes de país(es) afetado(s), com febre não medida e tosse, podendo ou não estar acompanhada dos demais sintomas referidos na definição de caso suspeito;
– Ou viajantes procedentes de voos internacionais, nos últimos 10 dias, de país(es) não afetado(s) e apresentando os sintomas de acordo com definição de caso suspeito.

São considerados afetados os países com casos confirmados e divulgados pelos governos ou pela OMS. Até a divulgação deste boletim, a OMS reconhecia a existência de casos suspeitos em 23 países: México, Estados Unidos, Canadá, Espanha, Reino Unido, Alemanha, Nova Zelândia, Israel, França, Itália, El Salvador, Áustria, China (Hong-Kong), Costa Rica, Dinamarca, Holanda, Irlanda, Suíça, Colômbia, Coréia do Sul, Portugal, Guatemala e Suécia.

A recomendação para as pessoas que sentem algum dos sintomas e que passaram por países afetados pela influenza A (H1N1) é procurar um serviço público de saúde imediatamente. Existem, no país, 52 hospitais de referência (ao menos um por estado) para atendimento de eventuais casos que precisem ser monitorados.

O Ministério da Saúde NÃO RECOMENDA que a população tome medicamentos por conta própria. A automedicação pode mascarar ou atenuar sintomas, além de provocar resistência ao medicamento específico para influenza.