Jessier Quirino exalta o Nordeste no Seis e Meia desta quarta

Por - em 48

A poesia e o carisma do escritor e poeta paraibano Jessier Quirino vão dar o tom da primeira edição do mês de Setembro do Projeto Seis e Meia, nesta quarta-feira (5), na Praça de Eventos do MAG Shopping, na praia de Manaíra. A abertura do show será feita pela cantora Gláucia Lima, outra referência de qualidade na cena cultural da Paraíba.

O Projeto Seis e Meia é mais ação da Prefeitura de João Pessoa em parceria com a Acorde Produções. O evento recebe o patrocínio da Saelpa e o apoio cultural do Ambassador Flat e dos bares e restaurantes Cia do Chopp, Vila Cariri, Dona Branca e Botequim Vila São Paulo.

Os ingressos para o Seis e Meia custam R$ 16,00 (inteira) e R$ 8,00 (estudante) e podem ser comprados antecipadamente ou na hora do show no posto de vendas montado ao lado da bilheteria do cinema, no primeiro piso do MAG. O número do Disque Seis e Meia é o 3621-1666.

Originalidade –
“Sou arquiteto por profissão, poeta por vocação e matuto por convicção.” Assim se defini o paraibano de Campina Grande e filho adotivo de Itabaiana – onde reside há 20 anos – Jessier Quirino, hoje, um dos nomes festejados no meio artístico nacional e mais um digno representante da cultura popular nordestina.

Interessado na causa poética e na tradição oral do seu povo, o poeta persegue fatos e histórias do interior nordestino com olhos e faro de rastejador. Em sua incursão editorial, publicou, pelas Edições Bagaço do Recife, os livros: “Paisagem de Interior”, “Agruras da Lata D`água”, “Prosa Morena” e “Bandeira Nordestina”. Jessier Quirino também gravou quatro CDs com poemas e canções autorais e também editou dois livros infantis e um de folclore político popular.

Numa nova vertente artística, encarnando o personagem Euclydes Villar, fez parte do elenco da microssérie “A Pedra do Reino” do escritor Ariano Suassuna, veiculada pela Rede Globo de Televisão em Junho desse ano.

Preenchendo uma lacuna deixada pelos grandes menestréis do pensamento popular nordestino, o poeta Jessier Quirino tem chamado a atenção do público e da crítica, principalmente pela presença de palco, por uma memória extraordinária e pelo varejo das histórias, que vão do lirismo poético à poesia matuta impregnada de humor, neologismos, sarcasmo, amor e ódio, da música de raiz até cocos, cantorias, causos, piadas e textos de nordestinidade apurada.

Dono de um estilo próprio, de uma verve apurada e de um extremo preciosismo no manejo da métrica e da rima, o poeta sabe como ninguém prender a atenção do público e, desde 1996, quando lançou o primeiro livro, vem defendendo sua poesia a golpes de declamações por todo território nacional.

Nesta quarta-feira, o poeta apresenta canções autorais, declamando e contando causos, numa performance de uma hora e trinta minutos, acompanhado dos músicos Vitor Quirino (violões), Letinho (violão clássico), André Correia (violino), Matheus Quirino e China (percussão).

Guerreira – Gláucia Lima nasceu em João Pessoa e começou a cantar profissionalmente em 1997. Tem dois discos gravados: “Zanzar” e “Tanto Mistério”. O trabalho de Gláucia tem consistência e qualidade. Mostra a face de uma mulher guerreira, preocupada com sua gente, seu país e com a preservação da natureza.

Nunca cantou na noite, mas participa de eventos, projetos culturais e festivais de música em todo o Brasil. Engajada nos movimentos sociais da cidade, Gláucia Lima vive em contato com comunidades mais carentes, onde faz palestras, dá aulas e ensina música. No Seis e Meia, a artista fará uma retrospectiva de sua carreira totalmente apoiada em compositores paraibanos. Ela será acompanhada por Hélio Medeiros (teclados), Jorge Negão (contra-baixo) e Cledson Meira (bateria e percussão).