João Pessoa à frente do Nordeste e Brasil em crianças livres de cáries

Por - em 43

A cidade de João Pessoa se destaca por ter 32,5% da população de crianças com 12 anos livres de cáries dentárias. Os dados são de uma pesquisa que está sendo realizada por alunos e professores do curso de Odontologia, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus I. De acordo com os dados parciais divulgados, o percentual observado na Capital paraibana supera a média nacional, que é de 31,1%, e é também superior à média da região Nordeste (27,5%).

A pesquisa também fez uma análise sobre a saúde dentária de bebês entre 18 e 36 meses (de um ano e seis meses a três anos) e de crianças de cinco anos. Foram avaliados o número de dentes perdidos, obturados e cariados. O estudo mostra que foi reduzido em 60% o número de bebês (primeiro universo pesquisado) que sofrem com cárie. Quando se refere a dentes perdidos, as crianças da Capital têm 0,4%, abaixo da média do Nordeste (1,06%) e do Brasil (1,0%).

Os números também são favoráveis em crianças de cinco anos: João pessoa tem uma média de 2,1% de meninos nessa faixa etária com problemas dentários, contra 2,2% do Nordeste e 2,8% do País. Na pesquisa qualitativa, 94,05% das crianças de 12 anos já haviam visitado o dentista e destas 87,76% consideraram o atendimento na rede pública municipal bom e ótimo.

Mais assistência
– O coordenador dos Centros Especializados em Odontologia (CEOs), da Prefeitura de João Pessoa, Danilson da Cruz, afirmou que os dados da pesquisa refletem os investimentos feitos em saúde bucal, na Capital. “A Prefeitura ampliou, modernizou e investiu em profissionais. O resultado desse estudo só vem mostrar a qualidade do serviço prestado. Os dados poderiam ser ainda melhores se a água que abastece os moradores de João Pessoa fosse fluoretada. Isso auxiliaria na prevenção da cárie”, explicou.

Outro dado importante (este do Sistema Único de Saúde – SUS) citado por Danilson mostra que João Pessoa é primeiro lugar no Nordeste em procedimentos especializados por pessoa, 54% acima da média da região. Em 2005, a cidade estava em última colocação no ranking. Em relação aos procedimentos odontológicos básicos individuais, a cidade saiu do 7º para o 2º lugar, aumentando em 39,7% a média de atendimento, com 674.762 pessoas assistidas.

Investimentos – Em três anos e meio de governo, a atual administração investiu mais de R$ 2,3 milhões nos serviços e especialidades odontológicas. Foram equipados e ampliados os consultórios odontológicos que funcionam nas Unidades de Saúde Família (USFs), além da reforma e ampliação do Centro Especializado de Odontologia (CEO) – que funciona no prédio conhecido como 18 andares, no Centro – e da inauguração de outras duas unidades nos bairros do Cristo e Mangabeira.

O serviço buco-maxilar-facial que funcionava no Hospital Geral Santa Isabel (HGSI) também foi reativado. A Unidade hospitalar é, hoje, referência para cirurgias de lesões benignas da boca e face, com serviço 24 horas e nove cirurgiões especializados.

Atendimento – Os CEOs oferecem especialidades odontológicas como: diagnóstico bucal (com ênfase no câncer de boca), periodontia, odontopediatria, endodontia (tratamento de canal), cirurgia bucal, prótese dentária total, radiologia bucal, dentística (restauração dental) e atendimento a usuários com necessidades especiais. As unidades especializadas recebem pacientes encaminhados pelas unidades de Saúde da Família, que possuem odontólogos e oferecem atendimento básico, como remoção de tártaro, obturações, extrações e limpeza.