JP recebe principal prêmio de preservação histórica do país

Por - em 41

Numa cerimônia que teve as presenças do ministro da Cultura, Juca Ferreira, de autoridades do meio cultural e de parlamentares paraibanos, o prefeito Ricardo Coutinho (PSB) recebeu na noite desta quarta-feira (14), em Brasília, o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, instituído pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A Capital paraibana foi a vencedora na categoria ‘Apoio Institucional e/ou Financeiro’, com o desenvolvimento do ‘Programa Integrado de Preservação do Patrimônio Cultural de João Pessoa’. A cerimônia de premiação ocorreu na Sala Villa-Lobos, do Teatro Nacional Cláudio Santoro, às 20h.

Em seu discurso, Ricardo Coutinho falou que o prêmio concedido a cidade de João Pessoa tem um significado especial. “Precisamos entender que não há disparidade entre o passado e o presente. Esse prêmio representa o começo de um processo de valorização do nosso patrimônio”, destacou

Prêmiação – O Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, criado em 1987, é um reconhecimento a ações de proteção, preservação e divulgação do patrimônio cultural brasileiro, e foi assim denominado em homenagem ao primeiro dirigente da instituição. O prêmio é oferecido anualmente a empresas, instituições e pessoas de todo o país e procura estimular e valorizar todos aqueles que atuam em favor da preservação do patrimônio cultural brasileiro.

Presente a cerimônia de premiação, o jornalista Fernando Moura, da Coordenadoria do Patrimônio Cultural (Probech-JP), disse que a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) mostra a grandeza dos investimentos realizados na preservação do patrimônio cultural, material e imaterial da cidade. “Com esse Prêmio o Brasil diz através do Iphan que João Pessoa está no caminho certo”, ressaltou.

Ele falou que a preocupação em preservar o patrimônio histórico nacional tem chamado a atenção de todos os países para o Brasil. “O ministro Juca Ferreira foi claro em dizer que está havendo um interesse do mundo pela cultura brasileira. Ferreira falou que está existindo a consciência da memória do Brasil e isso repercute no mundo”, revelou.

Projetos – A Comissão Nacional de Avaliação, que apontou os vencedores deste ano, foi presidida por Isabella Adeira, coordenadora geral de Difusão e Projetos da Diretoria de Articulação e Fomento, e composta por 15 integrantes. Este ano, a Comissão analisou 67 projetos em sete categorias. Foram premiados participantes nas áreas de educação patrimonial, divulgação, pesquisa e inventário de acervos, preservação de bens móveis e imóveis, salvaguarda de bens de natureza imaterial e proteção do patrimônio natural e arqueológico.

Nos anos anteriores, os premiados na categoria institucional foram o Instituto de Pesquisas Etno-Ambiental do Xingu/Ipeax, em Camarana, no Mato Grosso (2008); Instituto Homem Pantaneiro, em Corumbá, no Mato Grosso do Sul (2007); Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006); Associação Pró-Reforma, em Bananal, São Paulo (2005); e a empresa Sol Informática, de Belém, no Pará.