Juventude Cidadã prepara instituições para o início das aulas

Por - em 51

Representates de 11 instituições que irão ministrar os cursos do programa ProJovem Trabalhador – Juventude Cidadã, estiveram reunidos nessa segunda-feira (2) com a  Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável da Produção (Sedesp). Eles participaram de um seminário técnico como forma de preparação para as aulas do ProJovem que começam na próxima segunda-feira (9). Esse ano, o projeto está oferecendo 6 mil vagas em 19 cursos de qualificação profissional para jovens com idade entre 18 e 29 anos.

De acordo com o secretário Raimundo Nunes, para 2012 a expectativa da Sedesp é de que o número de oportunidades suba para 14 mil e de que se possa atender toda a região metropolitana da Capital, abrangendo as cidades de Cabedelo, Bayeux, Santa Rita, Cruz do Espírito Santo, Alhandra e Conde.

“Na primeira edição do programa em João Pessoa, em 2009, a Prefeitura de João Pessoa foi reconhecida pelo Ministério do Trabalho por oferecer um dos melhores projetos do País. Contamos com o apoio das instituições parceiras para manter esse desempenho”, declarou Raimundo Nunes. Ele lembra que o Juventude Cidadã de João Pessoa já começa com um diferencial. “Já começamos com 600 oportunidades de ‘autoemprego’, por meio da liberação de crédito através do Empreender-JP, que é o Programa Municipal de Apoio aos Pequenos Negócios”.

A coordenadora geral do programa em João Pessoa, Ludmila Carvalho, explicou que os cursos terão duração de 24 semanas. “Serão 100 horas de qualificação social com aulas de ética, informática, português e outras. Terão ainda 250 horas de qualificação profissional propriamente dita, focada nas áreas dos cursos”.

Depois das aulas, começa a fase de inserção no mercado de trabalho. A meta do convênio é incluir 1,8 mil jovens, o que corresponde a 30% do total qualificado. “Mas isso não é um número fechado. Nós estamos trabalhando para colocar de 50% e 60% no mercado”, afirma Ludmila.

Para Maria de Fátima Amorim, gestora da ONG Casa Caiada, uma das instituições que vai trabalhar no programa em João Pessoa, a fase de inserção é uma das mais importantes do projeto. “A Casa Caiada já trabalhou com o ProJovem Trabalhador em João Pessoa e em outros municípios e com outros projetos semelhantes. Nessas experiências, buscamos levar nossos alunos às empresas, para que possam aprender diretamente no mercado de trabalho. Também procuramos fazer o contato com as empresas, saber do que elas estão precisando e, então, focar nosso trabalho em cima dessa demanda”, explicou. A instituição ficará responsável por 360 alunos do curso de Comunicação e Marketing.

A estratégia é a mesma da Associação de Promoção do Desenvolvimento Local (APDL), instituição de Natal (RN) que ficará com os alunos dos cursos de Madeira e Móveis e de Construção e Reparo II. “Um dos grandes problemas desse tipo de curso é a evasão. São seis meses de aula e, às vezes, os jovens recebem propostas de trabalho que acabam retirando eles da sala de aula, então nós buscamos oferecer aulas dinâmicas, levando os jovens diretamente às empresas. Assim eles podem mostrar que realmente sabem fazer e, assim, muitos encerram o curso já contratados por essas empresas”, explicou o coordenador geral de qualificação da APDL. De acordo com ele, desde 2000, a instituição inseriu 92.154 jovens no mercado de trabalho.

O programa – O Juventude Cidadã é um programa do Ministério do Trabalho e Emprego e é realizado por meio de convênio com a Prefeitura de João Pessoa. Os inscritos foram selecionados a partir dos critérios exigidos pelo Ministério, como: morar em João Pessoa, ter renda familiar de até meio salário mínimo per capita e idade entre 18 e 29 anos e estar cursando ou ter concluído o Ensino Fundamental ou Médio. Não são aceitos alunos que já estejam cursando universidade e que tenham trabalho com carteira assinada.