Limpeza evita que o canal do Bessa transborde com chuvas

Por - em 50

O Governo Municipal realiza mais uma ação em benefícios dos moradores do Bairro do Bessa, através de equipe da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) que faz a limpeza do canal existente naquela comunidade. De caráter preventivo, o trabalho da Prefeitura de João Pessoa (PMJP) vai evitar que com a intensificação das chuvas o canal transborde, causando prejuízos e problemas para os moradores da área.

Assim, vêm sendo retirados lixo e vegetação do leito do córrego, que dificultam o escoamento de água. O canal já passou por ação de limpeza no ano passado, quando foram retiradas cerca de 60 toneladas de resíduos não orgânicos.

O trabalho envolve 15 agentes de limpeza da equipe aquática da Emlur e uma máquina FX escavadeira hidráulica adaptada para realizar a limpeza sem causar danos às paredes de concreto do canal. Esse equipamento que facilita o processo de remoção dos entulhos foi cedido por um shopping da Capital.

O diretor de Operações da Emlur, Orlando Soares, explicou que a vegetação e o lixo que ficam acumulados dificultam a passagem da água no canal. Ele contou ainda que as galerias pluviais que deságuam na extensão do córrego também estão sendo limpas, para que não fiquem obstruídas e a água passe a escoar normalmente.

Adubo – De acordo com o diretor, o material retirado do canal (vegetação aquática) é um excelente adubo orgânico e, a exemplo do que aconteceu no ano passado, em muitos trechos ele será espalhado para ajudar na recuperação da vegetação nativa. “Nas áreas onde existem casas, nós fazemos a retirada desse material orgânico. Mas, tivemos casos no ano passado de pessoas que solicitaram o material retirado para usar como adubo”, contou.

Ele disse ainda que durante a ação a equipe da Emlur encontrou pouco lixo dentro do canal e atribuiu esse fato às ações de educação ambiental realizadas na área por técnicos da Emlur. “Essa conscientização de não jogar lixo dentro do canal certamente é fruto das ações educativas que a Autarquia vem realizando com os moradores”, destacou.

Resíduo de construção – Ele contou ainda que o grande problema é a quantidade de resíduos da construção civil deixada nos terrenos baldios que ficam às margens do canal. “Esse material pode ir para dentro do canal impedindo o escoamento da água”, comentou.

O diretor da Emlur lembrou que João Pessoa conta com um equipamento que transforma a metralha em matéria prima para novas obras: é a Usina de Beneficiamento dos Resíduos Sólidos da Construção Civil (Usiben). “Recebemos de forma gratuita esse material e damos novos usos a ele. Por isso, as pessoas não têm a necessidade de jogar esse tipo de material em terrenos baldios”, observou.