Litro da gasolina é vendido com preços entre R$ 2,249 e R$ 2,699

Por - em 15

O litro da gasolina comum está sendo vendido por R$ 2,249 na Capital. Foi o que constatou pesquisa realizada pelo Procon de João Pessoa em 109 postos e divulgada nesta terça-feira (4). O menor valor praticado com pagamento à vista foi encontrado no posto Extra Petróleo (R$ 2,249), no bairro de Mangabeira, e o maior no posto Villagio (R$ 2,699), nos Bancários, uma diferença de R$ 0,45 e variação de 20%

De acordo com a pesquisa, o álcool comum para pagamento à vista é vendido por R$ 1,65, no posto Texas, Funcionários II, e por R$ 2,09, no Posto Villagio, nos Bancários. Uma variação de 27,2% e diferença de preço de R$ 0,45. Já o óleo diesel, também para pagamento à vista, é comercializado com valores entre R$1,87 e R$ 2,19, diferença de R$ 0,32 no litro e oscilação de 17,2%. No caso do metro cúbico do gás natural veicular, para venda à vista, a diferença de preço é de R$ 0,05 e variação de 2,8%, com valores praticados entre R$ 1,799 e R$ 1,849.

Além de ser distribuída em semáforos, a pesquisa completa pode ser consultada através do site www.joaopessoa.pb.gov.br/procon/pesquisas ou na sede do Procon de João Pessoa, na Avenida Dom Pedro I, 331, Centro.

Operação 274 – Nesta terça-feira (4) completa três anos que vários órgãos de defesa do consumidor e Polícia Federal deflagraram a maior operação de combate à cartelização de preço de combustível da América Latina. A operação constatou que 88 dos 95 postos estavam controlando o valor da gasolina e afixando-a em R$ 2,74. Hoje, os preços dos combustíveis em João Pessoa são monitorados semanalmente através de pesquisa da equipe do Procon de João Pessoa. Este trabalho traz vantagens para os consumidores que recebem panfletos informando onde encontrar o melhor valor na hora de abastecer o carro. Semanalmente, são distribuídos três mil panfletos com o objetivo de orientar o consumidor.

Além das pesquisas, a equipe de fiscalização trabalha no sentido de coibir o aumento abusivo dos preços da gasolina, álcool, diesel e gás natural veicular. Este trabalho conjunto entre pesquisa e fiscalização tem efeito positivo. Em 2009, o Procon-JP expediu 215 autos de infração, e destes, 142 ocorreram por aumento abusivo ou sem justificativa. Em 2010, não houve nenhum auto de infração aplicado a donos de postos da Capital.

De acordo com o secretário executivo do Procon-JP, Watteau Rodrigues, esta metodologia que une pesquisa e fiscalização é fundamental para que não haja aumentos indevidos. “O Procon trabalha para orientar os consumidores e coibir abusos, por isso temos obtido resultados relevantes, colocando João Pessoa em destaque nacional”, comenta.

De janeiro de 2009 até abril deste ano foram realizadas 75 pesquisas de combustível. Desde abril de 2009, a panfletagem apontando os melhores valores do combustível por zona foi entregue a pelo menos 208 mil consumidores.