Lixo jogado na rua pela população é principal causador de alagamentos em JP

Por - em 1775

Todos os dias, um caminhão carregando o equivalente a quatro toneladas de lixo é retirado das galerias e canais de João Pessoa. São quatro mil quilos de detritos, desde sacolas plásticas, embalagens e garrafas até pneus, papéis, vidro, calçados e restos de colchões. E de onde vem tanto resíduo? Das mãos da população. É ela quem descarta o lixo nas ruas, sem qualquer cuidado com o seu armazenamento. O papelzinho da bala, o copo descartável e a latinha de refrigerante são jogados no chão como se, ao cair lá, deixassem de existir, num passe de mágica.

O resultado são os transtornos que atingem pessoas de todas as camadas sociais e faixas etárias. Alagamentos, proliferação de doenças e trânsito lento ou interrompido são alguns deles, como se constata a cada período de chuva na Capital. A falta de consciência de alguns se volta contra todos. “Cada pessoa deveria fazer a sua parte e jogar o lixo em local adequado, para ser recolhido pelo caminhão da coleta e evitar contratempos. Todos nós saímos prejudicados por essa falta de cidadania”, disse Luiz Rabelo, titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra).

A limpeza e a desobstrução de galerias fazem parte das ações de manutenção da Seinfra, desempenhadas rotineiramente. Segundo Vânia Franca, diretora de Manutenção, devido à força das águas, o lixo jogado nas ruas é carregado para dentro das redes de drenagem e, com isso, as galerias ficam entupidas – é então que a água, que não tem por onde escorrer, alaga ruas e dificulta a passagem de veículos e pedestres.

Há galerias onde é recorrente a retirada de grandes quantidades de resíduos. Elas ficam no Centro e nas vias de grande fluxo de veículos, como a Rua Francisco de Souza Lustroso Cabral (Cristo), e as avenidas Rui Barbosa (Torre) e Coremas, com a João Machado e a Maximiano Figueiredo. “É comum vermos pessoas jogando o lixo na rua depois de fazer um lanche, seja caminhando ou pelas janelas de carros e ônibus. É muito desrespeito”, analisou o secretário.

Trabalho da Emlur – A Autarquia Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) também vive às voltas com o lixo produzido em João Pessoa – seja o domiciliar, que é recolhido pelos caminhões em dias agendados, seja o que é colocado em lixeiras públicas ou simplesmente jogado no chão.

Contabiliza-se que são produzidas, na Capital, mais de 33 toneladas de lixo por mês, o que dá pouco mais de 1.112 toneladas por dia. Cada habitante produz aproximadamente um quilo e meio de lixo, diariamente.

Código de Trânsito – De acordo com o artigo 172 do Código de Trânsito Brasileiro, é proibido atirar do veículo ou abandonar em via pública objetos ou substâncias. Trata-se de uma infração média. O motorista poderá perder quatro pontos na carteira de habilitação e pagar uma multa de 80 UFIRs  (R$ 85,13).

Jogar lixo pela janela compromete a limpeza das vias públicas, como pode causar acidentes e colocar em risco a integridade física de pessoas que venham a ser atingidas pelos objetos atirados. Restos do lanchinho rápido, maços de cigarro e outras embalagens, folhas de papel, latas de refrigerantes, espigas de milho e até coco verde voam de ônibus e carros, dia e noite, por toda a cidade.

Código de Postura – O Código de Postura de João Pessoa também faz menção à importância da preservação da limpeza nos logradouros públicos, como no artigo 6º, que diz: “Fica vedado: lançar resíduos do interior das residências, dos terrenos e dos veículos, inclusive graxosos, terras excedentes, entulhos ou quaisquer objetos de que se queira descartar”. Já o artigo 8° diz que “não é permitido obstruir com material ou resíduos, caixas públicas receptoras, sarjetas, valas e outras passagens de águas pluviais, bem como reduzir sua vazão por meio de tubulações”.

Como analisou Vânia, o mesmo cidadão que é visto sujando as vias públicas, calçadas, praias, rios, florestas e parques da cidade dificilmente será flagrado jogando lixo no chão de um shopping, por exemplo. “A nossa intenção é chamar a atenção para o ato individual. Cada um deve fazer a sua parte. Um ato isolado pode não representar muito, mas se todos passam a fazê-lo, certamente as futuras gerações terão ruas e ambientes públicos mais limpos e agradáveis”, ressaltou.

Dicas:

  1. Jogue seu lixo na lixeira;
  2. Tenha uma sacolinha dentro do carro ou na bolsa para colocar seu lixo, caso não tenha lixeira por perto;
  3. Ensine seus filhos a jogar o lixo no lixo, desde pequenos.

Curiosidade – No Japão, um dos países que mais reciclam lixo no mundo, reciclar é obrigatório. As ruas são livres de lixo e os japoneses aprendem a separar o lixo desde pequenos. Dados da prefeitura de Tókio mostram que, em 2007, o Japão reciclava em torno de 80% do seu lixo. A partir dessa data, iniciou-se uma campanha em todo o país, intitulada Lixo Zero. O objetivo é diminuir todo o lixo que for possível, tanto doméstico como industrial.

Os principais tópicos da campanha japonesa, que também poderiam ser adotados no dia a dia de João Pessoa, são:

  1. Não compre artigos que você acabará jogando fora mais tarde;
  2. Use artigos que podem ser reutilizados muitas vezes;
  3. Separe seu lixo cuidadosamente e recicle artigos que são reutilizáveis.