Prefeitura entrega os primeiros imóveis do ‘Minha Casa, Minha Vida’ da PB

Por - em 259

“Quero agradecer a todos que direta ou indiretamente fizeram parte do nosso sonho que hoje se transforma em uma grande realidade”, afirmou emocionada a dona de casa Conceição de Oliveira Ramalho, que representou as 244 famílias do Residencial Manacá que receberam nesta quarta-feira (7) as chaves dos primeiros imóveis entregues da Paraíba pelo Programa Minha Casa, Minha Vida, uma parceria entre Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), Caixa Econômica Federal e Governo do Estado.

 

A obra orçada em R$ 9.028.000,00 e que possui unidades adaptadas para pessoas com deficiência e idosos, fica localizada no bairro Paratibe, e foi entregue pelo prefeito Luciano Agra que falou sobre os parceiros no empreendimento e que a inauguração será a primeira de uma série que está por vir. “A política habitacional da Prefeitura continua com muito vigor, pois essa é uma inauguração que vai deflagrar uma série de outras de grande porte. Isso mostra claramente a decisão política, a prioridade, e todo empenho em desenvolver uma política habitacional que tenha como eixo a qualidade de vida, através da infraestrutura, da acessibilidade, disponibilidade de equipamentos sociais, de educação, saúde, além da qualidade habitacional”, afirmou o prefeito.

Luciano Agra ainda acrescentou que a entrega das moradias do Residencial Manacá é um momento de alegria. “Aqui estou satisfeito como prefeito, cidadão e arquiteto. Em pleno dezembro estamos abrigando 244 famílias. Isso nos enche de alegria, estímulo e força para que possamos fazer sempre o melhor para a população de João Pessoa”, disse.

O secretário Municipal de Habitação Social, José Guilherme, ressaltou que com o Residencial Manacá, a PMJP chega 6.366 unidades habitacionais entregues. “Só pelo Programa Minha Casa, Minha Vida, João Pessoa deve entregar mais 2.700 unidades habitacionais até o começo do ano, mas temos outros programas habitacionais com projeto de serem entregues agora no início do ano”, disse, contando que a PMJP está construindo “mais de seis mil moradias, com previsão de chegar à marca de mais de 12 mil entregues até o final do próximo ano”, finalizou José Guilherme.

Infraestrutura – As 244 famílias do Condomínio Manacá serão atendidas em seu entorno por cinco postos de saúde, um hospital, uma maternidade, três escolas municipais e cinco escolas estaduais. Os apartamentos do Residencial Manacá medem 43 metros quadrados, com dois quartos, sala, cozinha, banheiro social, área de serviço e infraestrutura externa. A prestação deve ficar entre R$ 50 e R$ 139, valores baseados na renda declarada pelas famílias no ato da inscrição.

Trinta e cinco pessoas, entre portadores de necessidades especiais e idosos, vão ocupar as moradias adaptadas com portas mais largas, barras e rampas que facilitam a acessibilidade e oferecem mais segurança às pessoas com limitação de locomoção. Uma dessas pessoas é o aposentado Josemar Paulo da Silva, que é cadeirante e disse que o que mais gostou no novo lar é a rampa de acesso, pois ganhou liberdade de locomoção e segurança. “Eu gostei muito da rampa, que vai da rua até dentro de casa e vai facilitar muito. É muito bom ter essa segurança”, avaliou.

Já a esposa do aposentado, Glória Maria Marques da Silva, destacou as facilidades para cuidar do marido. “Vai me ajudar bastante com a rampa de entrada, pois não tenho muita força para levá-lo. O banheiro também, pois pega-lo é difícil. A casa tem mais espaço, as portas são maiores e dá para passar a cadeira”, enumerou Glória Maria.

Natal na casa própria – A auxiliar de serviço Isabel Fernandes da Silva, afirmou que esse será um Natal de muita felicidade. “Muda tudo na minha vida, pois sai do aperto de morar na casa dos outros. Estou me sentindo a pessoa mais feliz do mundo. Esse vai ser o melhor Natal da minha vida, com casa nova”, comemorou.

Já a operadora de hipermercado Sandra de Souza Penna, e o marido, terão um Natal duplamente feliz, pois, além da casa nova, será o primeiro Natal da pequena Sophia (1 mês). “Eu estou muito feliz, pois foi um sonho que a gente conquistou com a ajuda da Prefeitura. Minha filha tem um mês e junto com ela veio a benção da casa”, afirmou.

Entrega Simbólica – A primeira moradora a receber as chaves da casa própria foi Maria Verônica Perreira Carneiro, mãe de uma pessoa com deficiência, entregue pelo prefeito Luciano Agra. A segunda moradora foi Renata Marinho da Silva, que recebeu as chaves do superintendente da Caixa, Élan Miranda, e a terceira Conceição Oliveira, que teve as chaves da unidade habitacional entregue pela diretora–presidente da Cehap, Emília Correia Lima.

Das 244 moradias, 100 foram destinadas, através de convênio entre a Secretaria de Habitação Social e Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, para mulheres com problemas em sustentar financeiramente a família e/ou com problemas com ex-companheiros.

Minha casa, Minha vida – O superintendente da Caixa Econômica Federal, Élan Miranda, disse que ainda na gestão do ex-presidente Lula, a Caixa contratou a construção de um milhão de moradias para a população e só na Paraíba, mais de 20 mil famílias já estão contempladas com a contratação do Minha Casa, Minha Vida. Ele lembrou que a casa também é a identidade do cidadão. “Nesse momento a Caixa está contribuindo para o acesso a moradia digna, de qualidade, a preço justo e dentro de todas as vantagens oferecidas no Programa Minha Casa, Minha Vida, que revolucionou o acesso à moradia das famílias”, destacou, contado que a presidente Dilma Rousseff, não só manteve o Programa, mas começou o desafio da contratação de mais dois milhões de novas moradias.

A diretora–presidente da Companhia de Habitação da Paraíba (Cehap), Emília Correia Lima, que representou o governador Ricardo Coutinho, falou sobre a união de forças e o significado de ser em João Pessoa a primeira entrega de casas pelo Minha Casa, Minha Vida. “Luciano Agra não apenas deu continuidade, mas incentivou e é esse um dos principais programas de Luciano Agra: a questão da habitação, da dignidade da identidade e do direito da família ter um endereço”, disse Emília Correia.