Luto oficial de três dias pela morte de Marcelo Braga, do IPM

Por - em 88

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP) está de luto oficial por três dias, em virtude da morte do superintendente-adjunto do Instituto de Previdência Municipal (IPM), Marcelo Braga, que faleceu na madrugada desta quinta-feira (30) no Hospital Santa Paula, no Centro da Capital. Marcelo Braga, de 41 anos, sofreu um aneurisma na veia aorta e foi submetido a uma cirurgia, mas complicações pós-operatórias levaram o paciente a óbito, após falência múltipla de órgãos. O corpo está sendo velado na Central de Velórios São João Batista, no bairro da Torre, e será enterrado logo mais às 17h no Cemitério Parque das Acácias, no bairro José Américo.

Muito emocionado, o superintendente do IPM, Edmilson Soares, disse que a família IPM está lamentando muito a ausência do amigo e grande colaborador do Governo Municipal. “Estamos muito tristes com a ausência de Marcelo, mas agradecemos a Deus por ter nos proporcionado uma convivência ao lado dele durante esses dois anos e oito meses de gestão. Como superintendente-adjunto, Marcelo Braga era o primeiro que chegava e o último a sair do IPM. Sempre muito carinhoso com os nossos aposentados, ele foi de essencial importância para o crescimento do órgão”, declarou Soares.

Na sexta-feira (24), Marcelo Braga sofreu um aneurisma e foi submetido a uma cirurgia com sucesso no Hospital Santa Paula. As complicações começaram no pós-operatório, quando um rim paralisou e ele precisou passar por sessões de diálise e hemodiálise. Logo depois, ele entrou num processo de infecção, desenvolvendo a falência múltipla de órgãos, vindo a óbito na madrugada desta quinta-feira.

Marcelo Braga era o único filho homem do deputado federal Wilson Braga e da ex-deputada federal Lúcia Braga. Ele tinha duas irmãs (Patrícia e Mariana). Era casado com Jussara Braga e deixa dois filhos (Tiago e Wilson Neto). Na política, Marcelo foi candidato a vereador da Capital e a vice-prefeito de Cabedelo.