Madalena Moog e DJ Guirraiz no ‘Domingo É Dia’

Por - em 66

O ‘Domingo É Dia’ deste final de semana vai levar ao Centro Histórico da Capital a Orquestra de Frevo Paraíso Tropical, o samba e rock do Madalena Moog, além do DJ Guirraiz. O evento começa no domingo (29), partir das 15h, no Beco da Cachaçaria Philipéia, e segue com shows na Casa da Pólvora. A realização é da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), em parceria com o Bloco Vai Tomar no Centro.

A primeira atração da tarde é a Orquestra de Frevo Paraíso Tropical, que está na cena cultural local desde 2000, graças à iniciativa do maestro Kiko. A princípio, o grupo contava com nove integrantes.  Com o tempo, os músicos foram conquistando espaço e participando de eventos carnavalescos paraibanos, enfatizando o frevo em suas apresentações. No repertório estão presentes músicas de Capiba, Maestro Duda, Nelson Ferreira e outros compositores regionais.

Atualmente, a Orquestra de Frevo Paraíso Tropical possui 15 integrantes. O grupo já participou de festividades de blocos importantes do Carnaval pessoense, como o Cafuçu, Muriçocas do Miramar, Muriçoquinhas, Boi do Bessa, entre outros, só para citar exemplos.

O ‘Domingo É Dia’ está inserido em outro projeto, o ‘Corredor Cultural’, que acontece também nas tardes de sábado, no Beco da Cachaçaria Philipeia, com a apresentação de grupos da cultura popular, logo após o ‘Sabadinho Bom’. Agora, os domingos também passaram a ser animados no Centro Histórico da Capital, ao ritmo de marchinhas de carnavais, sambas e estilos regionais.

Madalena Moog – Depois da apresentação da orquestra de frevo, os participantes do ‘Domingo É Dia’ seguem em “arrastão” até a Casa da Pólvora, onde acontece o show da banda Madalena Moog. O grupo incorpora rock, samba e temáticas carnavalescas no seu repertório.

O Madalena Moog vai mostrar um som sutil e leve, com o charme pontual dos instrumentos de metal. Os integrantes já estão no terceiro disco, intitulado “Samba Pro o Seu Dia” (2011). No repertório, estão várias referências e citações literárias, como o titulo da faixa “O Movimento Romântico”, em homenagem à obra do filósofo suíço Alain de Botton.

DJ Guirraiz – Seu trabalho é fruto de pesquisa constante sobre a música negra mundial e as técnicas na discotecagem. Esse sincretismo resulta em um repertório brasileiro e de influência nordestina, que vai de Jackson do Pandeiro a Nação Zumbi. Isso sem falar da elasticidade de ritmos tocados no país, desde a modernidade do Racionais MC´s à tradição nortista de Pinduca.