Moradores aprovam construção do Parque Parahyba no Bessa

Por - em 67

O prefeito de João Pessoa, Luciano Agra, participou na noite desta terça-feira (1º) de uma audiência popular no Centro de Convenção do Cidade Viva, no bairro do Bessa, para discutir com a população a construção do Parque Linear Parahyba, na área do Aeroclube. O encontro reuniu ao todo mais de 500 moradores dos bairros próximos e na oportunidade o gestor municipal anunciou que, além do parque, será construído no local um teatro municipal com capacidade para 2.500 lugares.

Segundo o prefeito, a reunião com a população dos bairros de Manaíra, Bessa, Oceania e Aeroclube serviu para legitimar uma ação que vai trazer qualidade de vida, benefício ambiental e desenvolvimento imobiliário para aquele setor da cidade. “Estamos aqui para ouvir quem realmente interessa, que é o povo de João Pessoa”, frisou.

Ele comparou também a área do Aeroclube hoje e como vai ficar depois da criação do parque. “Vamos pegar uma parte da cidade que hoje se resume a uma grande área árida e ofereceremos à população pessoense aquele que será um dos lugares mais exuberantes da cidade”, frisou.

Ao descrever o futuro Parque Parahyba, o gestor da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) classificou o empreendimento como um “espaço democrático e acessível de convergência social”, que contará com uma grande área verde e com espaços de corrida, quadras esportivas, ciclovias e áreas de convívio. “Serão 73 hectares de pura qualidade de vida”, destacou.

Teatro Municipal de João Pessoa – O prefeito Luciano Agra deu detalhes também sobre o teatro que pretende construir no local, que está orçado em R$ 34 milhões e que segundo ele vai revolucionar a vida cultural da capital paraibana. O equipamento vai ter capacidade para 2.500 expectadores e, segundo Agra, demoraria 14 meses para ser concluído a contar do início da obra.

O teatro será construído dentro dos 25% de área do aeroclube que foi oferecido para que o próprio clube negociasse como quisesse, a fim de gerar receita para a agremiação. Mas o prefeito Luciano Agra explica que, como eles não aceitaram a proposta apresentada inicialmente pela PMJP, o teatro foi incluído no projeto do parque.

Recursos – Presente à consulta popular, quando fez uma explanação geral sobre todo o projeto, a secretária de Planejamento da PMJP, Estelizabel Bezerra de Souza, declarou que a administração municipal já tem recursos suficientes para as duas principais obras.

Ela frisou que o custo do parque é relativamente baixo (ele está estimado em R$ 4 milhões) e que o Teatro, que é a parte mais cara do projeto, vai receber verbas do orçamento geral da União e recursos do tesouro municipal.

“Não são projetos nascidos de uma aventura. São projetos sólidos, que vão melhorar a vida da população e sustentados por um planejamento viável e por verbas já separadas para esta finalidade”, concluiu a secretária.

Participação popular – As mais de quinhentas pessoas presentes ao evento tiveram a oportunidade de se posicionar favorável ou contra o projeto, sendo que 99% deles se disseram favoráveis ao futuro parque. Eles puderam fazer perguntas ao prefeito Luciano Agra, que tirou dúvidas sobre como se dará a execução das obras.