Moradores de rua participam de Ceia de Natal com prefeito

Por - em 43

O prefeito Ricardo Coutinho participou na noite desta terça-feira (22) da Ceia de Natal com as pessoas atendidas pela Casa de Acolhida para Adultos, que fica localizada na avenida Almeida Barreto, no Centro. O momento, um ato de amor, humanidade e solidariedade, foi marcado por muita alegria, descontração e até descoberta de talentos.

Ricardo Coutinho falou que a Ceia de Natal era um momento de sociabilidade, confraternização é de extrema importância para proporcionar um pouco de dignidade a as pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social. O prefeito anunciou a ampliação do atendimento da Casa de Acolhida em2010. “ No próximo ano vamos ampliar o número de camas e o atendimento a quem apenas passa por aqui. O projeto já está na Secretaria de Planejamento”, informou.

A Casa de Acolhida para Adultos foi criada em março de 2007 e atualmente atente 20 moradores fixo, além de disponibilizar refeições para mais de 100 pessoas que vagam pelas ruas sem ter destino certo. Este é o quarto ano que a Prefeitura de João Pessoa, através da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), realiza a Ceia de Natal desses moradores.

Atendimento – Na Casa, os acolhidos recebem atendimento psicológico, higienização e alimentação. Um exemplo é dona Socorro Santos, que aos 53 anos, está abrigada na casa. Depois de ficar doente, ela parou na Casa de Acolhida, onde recebe atenção e conforto. “Eu gosto muito deste lugar, onde as pessoas são boas. Estou feliz. Aqui tenho o que eu preciso”, afirmou. O auxiliar de caminhoneiro Paulo José da Silva, de 55 anos, veio para na Casa depois de problemas de saúde. Sem filhos e família, divide os dias com os outros moradores e funcionários. “Essa casa é boa, aqui me tratam bem. Eu gosto”, declarou.

Na Casa de Acolhida para Adultos a preocupação maior é a inclusão social. De acordo com a coordenadora, Soraya Oliveira, além do alimento e do abrigo, existe a tentativa de mudar, de transformar a vida destas pessoas. “A gente tenta a inclusão social, devolve-los ao seio familiar. Quando conseguimos ficamos muito felizes. Se não, cuidamos muito bem delas, com carinho e dedicação”, explica. A Casa de Acolhida abre as portas todos os dias, a partir das 16h e às 19h, é servida a refeição, tanto para os acolhidos, quanto para os que estão apenas de passagem.