Novo parque da Bica recebe entidades de proteção animal e apresenta o bom acolhimento e cuidados com elefanta Lady

Por Flávio Asevêdo - em 1131

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) abriu as portas do Novo Parque da Bica, na manhã desta quarta-feira (7) para uma visita do Núcleo de Justiça Animal da UFPB, Comissão de Direito animal da OAB, Assembleia Legislativa da Paraíba e ONGs de proteção animal ao recinto onde há cinco anos está a elefanta Lady. Sob cuidados da Prefeitura após ser retirada de um circo, a PMJP busca, em parceria com diversas entidades, um novo lugar mais adequado para que a elefanta seja levada, onde possa dar continuidade ao seu acompanhamento de vida em cativeiro e ela tenha uma vida mais semelhante possível ao que teria em seu habitat natural.

“Nós oferecemos um tratamento adequado e nunca fizemos qualquer objeção para que Lady saia da Bica. Não cuidamos dela como um bem da Prefeitura ou da Bica, mas sim, demos abrigo a um animal que nos foi doado após 40 anos em um circo. Estamos abertos ao diálogo e a um entendimento para oferecermos o melhor à elefanta. Vamos chamar o Ibama e tentar encontrar outro lugar mais adequado para recebê-la”, afirmou o secretário de Meio Ambiente, Abelardo Jurema Neto.

Segundo o secretário, o Santuário de Elefantes Brasil já se propôs, via e-mail, a receber Lady e a Prefeitura aguarda uma confirmação deles para fazer esta aproximação e verificar in loco com técnicos, a viabilidade e as melhores condições para que a elefanta possa ser transportada para lá ou para outro espaço onde se verifique melhores condições para o acolhimento e a vida saudável dela. O ambiente onde Lady vive hoje na Bica conta com mais de 2,5 mil metros quadrados, com alimentação balanceada e acompanhamento veterinário e de biólogos permanente.

Para receber Lady, em 2014, a PMJP investiu R$ 180 mil na construção de um espaço, em um projeto que  envolveu 50 profissionais, entre engenheiros, arquitetos, pedreiros, eletricistas e especialistas em estruturas. O recinto tem um fosso de concreto que circula 50% da área, com a função de oferecer segurança ao animal e à população. Tem ainda uma área de cambiamento para tratamento de Lady, tanques de água, de areia e de lama. A área do abrigo é feita com estrutura metálica com troncos de eucalipto tratado e muro de concreto. Ele construído seguindo a Instrução Normativa 169 do Ibama,  que institui e normatiza o uso e manejo da fauna em cativeiro no território brasileiro.