Número de empresas sediadas em JP cresce 10,31% em 2 anos

Por - em 44

O número de empresas sediadas em João Pessoa cresceu 10,31% entre 2006 e 2008, revela o Cadastro Central das Empresas (Cempre) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta foi a maior entre as nove capitais da região Nordeste e a nona maior do País. De acordo com o IBGE, nos dois anos da pesquisa, a quantidade de empresas em João Pessoa aumentou de 13.739 para 15.155.

Com a variação, a cidade pulou da oitava para a sexta posição no ranking nordestino de empresas por capitais. Na comparação com o restante das capitais brasileiras, João Pessoa ocupa, hoje, a 19ª posição (duas acima da alcançada em 2006). O município responde, ainda, por 29,5% do total de empresas do Estado. E os pequenos negócios são maioria. Nada menos do que 67,34% das unidades empresariais possuem no máximo quatro funcionários, de acordo com o Cempre.

Já por setores, o comércio (que inclui também “reparação de veículos automotores e motocicletas”) ocupa o maior espaço no mercado pessoense. Com 6.664 estabelecimentos, ele responde por 43,97% do total de empresas.

Além das entidades empresariais, o Cadastro Central das Empresas também registra o número de órgãos da administração pública e de instituições privadas sem fins lucrativos localizados no município. Considerando todas essas inscrições, João Pessoa possuía, em 2008, 16.612 unidades cadastradas no Cempre, 10,41% mais do que em 2006. A alta também foi a maior do Nordeste e nona do País.

Empregos – Junto com o número de empresas, tem crescido em João Pessoa também o número de trabalhadores empregados. De acordo com o Cempre, as entidades empresariais foram responsáveis por 256.445 postos de trabalho em 2008, um aumento de 12,86% em comparação ao registrado em 2006. No total, esses profissionais receberam, em salário, R$ 3.392.052,00 no ano da pesquisa (alta de 25,21%) – média de 2,8 salários mínimos por pessoa, segundo a pesquisa.

Os números do Ministério do Trabalho comprovam o crescimento. De acordo com Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), entre janeiro de 2006 e dezembro de 2008, foram gerados 15.197 novos postos de trabalho na Capital paraibana – 2,5 vezes mais do que nos 36 meses anteriores (de janeiro de 2003 a dezembro de 2005, quando foram registrados 5.652 novas vagas).

O secretário municipal de Desenvolvimento Sustentável da Produção (Sedesp), Raimundo Nunes Pereira, lembra que essa é apenas uma amostra do que vem acontecendo na economia pessoense. “Em ritmo acelerado segue também o mercado informal. Não é possível ignorar esse segmento, que está na base da economia. Quando eles crescem, impulsionam toda a cadeia. Eles compram mais matéria-prima e equipamento do setor formal e consomem mais”, explica.

Em João Pessoa, o Programa Municipal de Apoio aos Pequenos Negócios (Empreender-JP) ajuda empresários do setor informal a investir nos seus empreendimentos. Desde que foi criado, em 2005, ele já aplicou, apenas com recursos próprios, R$ 13,4 milhões na economia pessoense, liberando 7,7 mil contratos. Somados às parcerias com o Banco do Brasil e o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), esses valores sobem para R$ 19,5 milhões e 8,6 mil contratos.
 
A pesquisa – O Cadastro Central de Empresas cobre o universo das organizações inscritas no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) do Ministério da Fazenda que no ano de referência declararam às pesquisas econômicas do IBGE ou aos registros administrativos do Ministério do Trabalho e Emprego. Além das entidades empresariais, ele abrange também órgãos da administração pública e instituições privadas sem fins lucrativos.

A atualização de dados cadastrais e econômicos do Cempre é realizada anualmente, conjugando informações provenientes das pesquisas nas áreas de Indústria, Construção Civil, Comércio e Serviços do IBGE e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), um registro administrativo do Ministério do Trabalho e Emprego.