O som de Odair José e Omelete marca o fim da Festa das Neves

Por - em 20

A capital da Paraíba, que no primeiro momento recebera o nome de Nossa Senhora das Neves, completou 425 anos na quinta-feira (5). Durante as comemorações alusivas à sua fundação, a Prefeitura de João Pessoa (PMJP), ao longo de sete dias, promoveu diversos espetáculos culturais e artísticos. Na última noite do evento subiram ao palco principal dos shows musicais, instalado no Ponto de Cem Reis, o cantor goiano Adilson Ramos, eternizado por cações bregas como “Pare de Tomar a Pílula”, além da sempre bem humorada banda paraibana Omelete e Léo Almeida, músico pessoense cujo repertório está pautado no chamado pop regional.

Durante os shows uma multidão acompanhou os artistas cantando e participando, de forma interativa, do evento. O primeiro a subir no palco foi Léo Almeida, por volta das 20h. Acompanhado por sua banda o cantor trouxe canções gravadas no seu último CD, intitulado “Ao Léo”. Cações como “Prateleira de creme” e “Margarida flor”, além do hit dos anos 80, “Menino de Mangabeira’” foram apresentados. Depois foi a vez da irreverente Banda Omelete entrar em cena sob o comando do vocalista Sinfrônio Lima, que incorpora o performático personagem Sinfrônio Petrônio.

Interagindo com o público de forma bem humorada, a Banda Omelete, com figurino no mínimo duvidoso e hilário, cantou e encantou com interpretações do que há de melhor no brega nacional. Durante o show músicas de Waldick Soriano, Reginaldo Rossi, Carlos Alexandre, Evaldo Braga e Sidiney Magal foram lembradas, havendo, sempre, o toque de humor, marca registrada do grupo que desde 1992 figura no cenário cultural paraibano.

À meia noite foi a vez de Odair José iniciar o seu show com o hit brega “A noite mais linda do mundo”. Os fãs iam ao delírio cada vez que o artista iniciava uma canção. Durante a apresentação, com certo toque nostálgico, sucessos como “Eu vou tirar você deste lugar”, “’Assim sou eu” e “Pare de tomar a pílula” foram executadas pelo cantor goiano, elogiando a receptividade dos paraibanos e tecendo elogios à gestão municipal que, por sua Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) propiciou a vinda de músicos de expressão nacional e regional, como Roberta Miranda, Nando Reis e Paralamas do Sucesso, além de talentos paraibanos.

Cultura Popular – Além dos shows no palco principal, ao longo da Festa das Neves houve espaço para as expressões culturais populares. Na última noite do evento a programação contou com as repentistas Minervina e Soledade, a parceria da dupla, que dura 30 anos, tem conquistado o público em diferentes eventos culturais do país, principalmente no Nordeste.

O segundo grupo que se apresentou foi os Cirandeiros do Vale do Gramame, que animaram o público com suas zabumbas de corda, caixas e ganzás, dando continuidade das tradições do litoral sul pessoense. Depois veio o Coco do Mestre Zé Zuca, da cidade de Queimadas, encerrando a noite no tablado da Cultura Popular, também instalado no Ponto de Cem Reis.