Oficina treina profissionais para tratar usuários de droga e álcool

Por - em 52

Preparar os profissionais nas áreas de saúde, educação e desenvolvimento social para uma aproximação adequada aos usuários de droga e álcool, orientando para a utilização da rede de serviços públicos e buscando práticas que preservem a saúde dessas pessoas. É com esse objetivo que cerca de 150 pessoas participaram na manhã desta quinta-feira (13) da abertura da Oficina de Formação de Redutores e Redutoras de Danos, que continuou à tarde e prossegue nesta sexta-feira (14) no Hotel Netuanah, praia do Cabo Branco. O evento está sendo promovido através de uma ação integrada entre as Secretarias de Saúde (SMS), Educação (Sedec) e Desenvolvimento Social (Sedes).

A oficina foi aberta com dinâmicas e grupo abordando os temas: ‘Drogas e seus efeitos’ e ‘Família e contexto social’. O condutor da atividade e um dos coordenadores do evento, Lino Madeira, comandou uma dinâmica de grupo onde uma ou mais pessoas foram amarradas com uma fita e a única maneira de se soltar era indo para o centro do grande círculo e falar frases sobre prevenção, vida e droga.

Ao final, Lino Madeira explicou que as fitas amarradas separaram o grupo e geraram sentimentos como preconceito, constrangimento, dificuldade de locomoção. Mas pela necessidade de se libertar, essas pessoas foram ao centro e falaram diferentemente das outras pessoas que acabaram, na verdade, ficando mais presas ao optarem por não sair de suas cadeiras para falar ou ajudar as pessoas com as amarras. “É um pouco como se sente um usuário de droga, que tem de enfrentar o preconceito e a falta de apoio para se libertar das amarras causadas pelas substâncias tóxicas”, observou. Durante a tarde também foram realizadas dinâmicas de grupo sobre ‘Modelos de tratamento e projeto terapêutico’.

Mesas-redondas – Já nesta sexta-feira (14), a oficina continua com a mesa-redonda ‘Políticas públicas de atenção a álcool e outras drogas’, com a participação de Coordenações de DST/AIDS e Saúde Mental de João Pessoa; da coordenadora de Campo dos Redutores (as) de Danos de Olinda (PE) e a coordenadora do Programa Mais Vida (álcool e outras drogas) de Recife (PE). À tarde acontece a mesa-redonda ‘Compartilhando experiências em redução de danos, com redutores e redutoras de danos dos serviços públicos e do Movimento Social das Cidades de João Pessoa, Olinda e Recife’.

Mudando a prática – De acordo com chefe da seção DST/AIDS do município, Roberto Maia, a atividade desta quinta-feira pretende desconstruir os modelos culturais e familiares sobre o uso das drogas e, em cima disso, trabalhar com práticas de redução de danos. “É importante saber abordar o usuário nessa condição de forma que saiba como utilizar o CAPS Álcool e Droga, o Centro de Testagem e Aconselhamento e outros serviços. Não julgá-lo, mas olhar no olho e encaminhá-lo para os serviços”, destacou.

Roberto Maia explicou que a política de Redução de Danos em João Pessoa começou a ser implementada no ano passado e registra avanços com um trabalho intersetorial entre as secretaria Municipal de Saúde (SMS), Educação (Sedec) e Desenvolvimento Social (Sedes). “Essa não é uma política fácil de ser desenvolvida. Por isso, é necessário a intersetorialidade. Teremos neste seminário também a oportunidade de conhecer as experiências desenvolvidas em Olinda e Recife”, ressaltou.

Avanços – O coordenador de Saúde Mental do município, Lino Madeira, explicou que o seminário informa as várias formas de tratamento de usuários de álcool e droga, medicamentoso, mental e apoio psicológico. João Pessoa está num bom nível com a implantação do Caps Infantil, o Caps Álcool e Droga (do Estado e que estará funcionando em janeiro gerenciado pelo município), residências terapêuticas e o Pronto-Atendimento de Mangabeira.

“O desafio maior é articular essa rede a outros serviços como Unidades de Saúde, Centro de Atenção Psicossocial, Centro de Testagem e Aconselhamento e movimentos sociais. De forma que cada profissional saiba olhar no olho e acolher a pessoa com algum problema de dependência química”, explicou.