Ortotrauma atende 1.600 pacientes já na 1ª semana

Por - em 55

O Complexo Hospitalar de Mangabeira, que inclui o Ortotrauma e o Pronto Atendimento em Saúde Mental, já realizou nesta primeira semana de funcionamento do Ortotrauma 1.600 atendimentos de usuários de João Pessoa e outros municípios do Estado. O número representa uma média de 400 atendimentos por dia.

Com a transferência do serviço de urgência e emergência do Hospital Geral Santa Isabel para Mangabeira na última segunda-feira (3), o serviço está sendo realizado em um local dotado de total infra-estrutura, equipamentos de última geração e equipe capacitada, o que o possibilita um atendimento com mais qualidade e um tempo de espera menor dos pacientes.

O Complexo Hospitalar dispõe de 136 leitos para atender as necessidades de saúde dos usuários que necessitam de atendimentos traumato-ortopédicos de urgência, emergências clínicas e cirúrgicas, atenção eletiva em ortopedia bucomaxilofacial e emergência em saúde mental (este último que já funcionava desde setembro). Os serviços atendem 24 horas por dia e, além disso, o complexo funciona com um ambulatório de traumatologia e ortopedia para receber pacientes que têm alta do Hospital de Emergência e Trauma.

De acordo com o diretor-geral do Complexo de Mangabeira, Edson Neves, nestes primeiros dias de funcionamento do Ortotrauma os atendimentos estão ocorrendo de forma plena. “Temos 45 leitos eletivos de ortopedia e urgência traumatológica, o que significa 15 a mais do que havia no Santa Isabel. A procura deste serviço continua alta, mas estamos diminuindo o tempo de permanência através de cuidados intensivos para assim oferecer mais oportunidades nas internações”, ressaltou.

Edson Neves ressaltou que o serviço está sendo desenvolvido por um quadro de servidores efetivos e dos concursos realizados recentemente. O diretor ressaltou que o hospital conta com profissionais de dez especialidades médicas como pediatras, clínicos, cirurgiões, anestesistas, ortopedistas, infectologistas, intensivistas, psiquiatras, cardiologistas, angiologistas, endoscopistas, radiologistas.

O diretor informou que, neste primeiro momento, os pacientes vítimas de grande trauma (politraumatizado), com urgência vascular traumática e AVC agudo e hemorrágico devem ser encaminhados para o Hospital de Emergência e Trauma. Edson explicou que por enquanto o hospital está sem neurocirurgião e cirurgião vascular e equipamentos para esses tipos de procedimentos, mas que a meta da Secretaria de Saúde do município é que seja implantado em breve.

Usuários aprovam
– A dona de casa Maria das Dores, moradora de Bayeux, está acompanhando a sua mãe Maria Pinheiro, de 90 anos, que quebrou fêmur em uma queda em sua casa. “Minha mãe foi foi submetida a uma cirurgia no Hospital Santa Isabel e na última sexta-feira foi transferida para a enfermaria do novo hospital, onde vem sendo acompanhada por médico, enfermeiro, fisioterapeutas que cuidam bem da minha mãe. O espaço aqui é mais amplo e confortável para o paciente e para o acompanhante”, explicou.

Girlene Santos de Oliveira, moradora do Colinas do Sul, está acompanhando sua filha Josilene, de 25 anos, que teve um problema cardíaco devido ao crescimento acentuado do coração. Ela foi internada na UTI e após tratamento se recupera na enfermaria. “Após 22 dias de internação minha filha hoje está bem melhor. Não tenho o que reclamar do atendimento dos médicos e enfermeiras. O hospital vem dando os remédios corretamente e refeições para pacientes e acompanhantes. Graças a Deus minha filha está se recuperando”, confessou aliviada.