Ortotrauma de Mangabeira ganha novos leitos este ano

Por - em 57

O Complexo Hospitalar Mangabeira Governador Tarcísio Burity (Ortotrauma) deve ganhar 30 novos leitos até o final do ano. O projeto é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que irá tornar o complexo uma unidade de referência no atendimento à dor. Atualmente, a capacidade da unidade é de 123 leitos, incluindo oito para usuários de saúde mental e outros oito leitos da unidade de terapia intensiva.

A implantação dos novos leitos surgiu, conforme a direção do complexo, da necessidade de ampliar os serviços. “Atualmente, temos 143 pacientes instalados no complexo. Isso equivale a estarmos atendendo a 12% acima da capacidade máxima. Apesar desse número de usuários ter aumentado em virtude da elevação de acidentes no período de Carnaval, precisamos estar preparados para quaisquer contingências. O usuário não pode deixar de ser atendido”, destaca Fabiana Fernandes de Araújo, diretora do complexo.

Fabiana ressalta que boa parte dos novos leitos que serão adicionados ao complexo será destinada ao atendimento da dor. “Nós poderemos melhor receber os pacientes que estiverem em condição de sofrimento decorrente de dor, onde serão medicados e tratados para minimizar o sofrimento. O serviço oferecerá atendimento médico especializado em reumatologia, anestesiologia, fisioterapia, acupuntura, dentre outros. É importante ressaltar que no nosso estado e na região Nordeste esse fato se agrava pela inexistência de um centro especializado no tratamento da dor e na sua reabilitação capaz de reduzir o grande impacto socioeconômico”, assinala a diretora.

Estima-se que o Brasil apresenta aproximadamente 50 milhões de portadores de dores crônicas, o que representa uma das maiores prevalências de doença em nosso país. Responsáveis por elevados índices de absenteísmos, licença de saúde, aposentadoria precoce, a dor crônica configura-se como um grave problema de saúde pública.

Conforme dados fornecidos pela direção do hospital, 51% dos usuários são de João Pessoa, os demais são de outros municípios, usuários de outras redes, e a especialidade com maior demanda é a de ortotraumatologia. “A ortopedia ocupa 94 leitos no complexo, o equivalente a 74% da capacidade instalada dos pacientes atendidos. Cerca de 10 cirurgias ortotraumatológicas são feitas diariamente e, dependendo da complexidade do procedimento, chega a 15 cirurgias. O hospital realiza cirurgias em ortopedia de alta complexidade e é considerado como referência na área, destacamos que este serviço foi o primeiro da rede municipal a ser credenciado para alta complexidade”, declara Fabiana Araújo.

Melhoria na estrutura – A atual direção, que assumiu há 30 dias, está realizando um levantamento para avaliar quais setores do hospital necessitam de reforma. “Estamos desenvolvendo um processo de manutenção e restauração. No último final de semana houve uma campanha para restaurar o pronto socorro, que ficou pronto na terça-feira (15). Estamos agora avaliando as condições de outras áreas no hospital”, afirma a diretora. A diretoria complementou que, além da reforma, um pedido de reposição de colchões foi realizado desde janeiro deste ano e tem a previsão de ser entregue nos próximos 10 dias.

Atendimentos – O complexo realiza atendimentos em urgência e emergência clínicas, cirúrgicas, pediátricas, ortotraumatológicas, bucomaxilofacial e pronto atendimento em saúde mental, além de possuir unidades de tratamento intensivo, laboratório em funcionamento 24h e serviços de endoscopia, colonoscopia, centro de diagnóstico de imagem incluindo ultrassonografia e tomografia computadorizada de alta resolução permitindo reconstrução tridimensional, eletrocardiograma, além de telemedicina. No total são 10.021 atendimentos mensais, sendo 5.100 da clínica ortotraumatológica.