‘Os Incríveis’ e o Quarteto são as atrações do Seis e Meia

Por - em 40

O Projeto Seis e Meia desta quarta-feira (10) tem como atração principal a banda ‘Os Incríveis’ que fez história no Brasil ao participar do movimento Jovem Guarda. Os sucessos do grupo, ainda hoje, são executados e estão na memória de muita gente que viveu intensamente os anos 60 e 70. A abertura do evento será feita pelo Quarteto de Trombones da Paraíba, um dos mais importantes grupos instrumentais do Estado, que tem um repertório eclético e de muita qualidade.

O Seis e Meia é promovido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) em parceria com a Accorde Produções e recebe o apoio cultural do Ambassador Flat e dos restaurantes Peixe Elétrico, Vila Cariri e Cia do Chopp. As apresentações começam às 18h30 na Praça de Eventos do MAG Shopping, na Praia de Manaíra. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia entrada) e podem ser comprados antecipadamente ou na hora do evento no posto de vendas montado ao lado da bilheteria dos cinemas no primeiro piso do MAG. Informações 9134-7610.

Os Incríveis – O grupo ‘Os Incríveis’ tornou-se o conjunto mais famoso do Brasil nos anos 60. Surgiu na época em que os Beatles e os Rolling Stones já ‘barbarizavam’ em todo o mundo. Tudo começou em 1962, quando o grupo foi formado com o nome de ‘The Clevers’. No ano seguinte, a banda viajou pela Europa com a cantora italiana Rita Pavone, que teve um badalado romance com o baterista Netinho, fundador de ‘Os Incríveis’ e ainda hoje o líder do grupo. Neste mesmo ano estréia um programan do ‘Clevers Show’ pela TV Record.

Em 1964 foram contratados por uma emissora de TV argentina, onde gravaram um LP em castelhano e mudaram o nome para ‘Los Increibles’. Após dez meses em Buenos Aires, já em 65, os músicos retornam ao Brasil para integrar com Roberto Carlos, Erasmo e Wanderléa, o programa ‘Jovem Guarda’ pela TV Record. Em seguida foram contratados para comandar o programa ‘Os Incríveis’ pela TV Excelsior.

Em 1966, ‘Os Incríveis’ viajaram de navio pela Europa filmando o longa metragem ‘Os Incríveis neste mundo louco’. Em Londres gravaram um disco pela Decca. De volta ao Brasil conseguiram o mega sucesso com a música ‘Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones’. No ano de 1967 ‘Os Incríveis’ chegaram a líder de audiência na TV Tupi. ‘Vendedor de bananas’ de autoria de Jorge Benjor era o novo sucesso do grupo. No ano seguinte viajaram para o Japão onde fizeram muitos shows e gravaram em japonês, ‘Kokorononijo e ‘I love Tokyo’.

Depois de mais uma grande turnê pela Europa, a banda ‘Os Incríveis’, em 1970, explodiram mais uma vez nas paradas de sucesso com a música ‘Eu te amo meu Brasil’. Em 72, o grupo resolveu se separar. Netinho montou uma nova banda denominada de ‘Casa das Máquinas’, que gravou três LP’s pela Som Livre. Os maiores sucessos foram ‘Vou morar no ar’ e ‘ Casa de rock’.

Atualmente, o grupo percorre os palcos de todo o Brasil para comemorar os 47 anos de estrada, apresentando um novo show vibrante e emocionante trazendo de volta os maiores sucessos e revivendo os melhores momentos. Formada por Netinho (bateria), Sandro Haick (guitarra e violão), Leandro W (baixo e vocal) e Wilson Teixeira (metais), a banda ‘Os Incríveis’ vai relembrar nesta quarta-feira sucessos como ‘O vagabundo’, ‘Milionário’, ‘Marcas do que se foi’, ‘Eu te amo meu Brasil’, ‘Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones’ e muito mais.

Quarteto de Trombones da Paraíba – Com uma formação musical inusitada, o Quarteto de Trombones da Paraíba supera com talento e criatividade a aparente limitação imposta pelos recursos de um único instrumento. Ao soarem os primeiros fraseados dos frevos e choros que compõem o repertório do conjunto, percebe-se a facilidade com que os quatro músicos manejam o trombone.

Devido à técnica e virtuosismo, o Quarteto de Trombones da Paraíba é um dos grupos brasileiros mais requisitados para concertos e workshops no exterior. O CD do conjunto, intitulado ‘Paraquedista’ tira o trombone de sua posição coadjuvante e o coloca na frente da cena, com um repertório que reverencia, entre outros, Gilberto Gagliardi, mestre do moderno trombone brasileiro. No repertório do grupo está músicas autorais e de grandes nomes da MPB.