Pais e alunos atestam melhorias no ensino público do município

Por - em 37

O sorriso da adolescente Anely Maciel reflete o carinho que ela tem por sua instituição de ensino, colegas e professores. Aluna do 9º ano da Escola Municipal Aruanda, localizada no bairro dos Bancários, ela sonha em ser engenheira ambiental. Feliz, não demonstra arrependimento em ter “migrado”, há dois anos, de uma escola particular para uma pública. Nos seus argumentos, a estudante explica que o ensino de qualidade e a infraestrutura onde hoje estuda permite obter os conhecimentos necessários para “ser uma boa profissional” atestando que sua turma pensa da mesma forma.

Anely Maciel relata que metade dos seus colegas é oriunda de escolas da rede particular de ensino. Não é um exagero da adolescente, pois dos 380 alunos matriculados, 165 vêm de escolas privadas, o que corresponde, em termos percentuais, 43% do total do corpo discente. “Nós temos bons professores, boas salas de aula, biblioteca, laboratório de informática, então, em termos comparativos, a minha escola nada tem a dever às particulares”, observou.

A mãe de Anely, a dona de casa Ana Paula Maciel Silva de Melo, concorda com a filha e ressalta que dos quatro filhos, três estudam em escolas públicas. Sobre o ensino público municipal, mais especificamente o empregado na Aruanda, ela elogia a fórmula pedagógica aplicada pelos professores, a abertura da unidade em receber os pais dos alunos, e toda a infraestrutura existente.

“A escola é a extensão de casa, e os pais andam de mãos dadas com ela”, disse, esclarecendo que o ensino público do município obteve melhorias na atual gestão, dando como exemplo a entrega dos kits escolares completos, os diversos programas pedagógicos implantados, a montagem dos laboratórios de informática, bibliotecas, a construção de ginásios desportivos, entre outros benefícios.

Para a diretora da Aruanda, Abigail Niedja de Menezes Sá Braga, um dos fatores da melhoria do ensino público municipal está no fato da Secretaria de Educação e Cultura do Município (Sedec) não impor ações ou fórmulas pedagógicas nas escolas. Ela destaca a democratização do ensino, esclarecendo que a gestão atual discute, com os professores, as ações para potencializar o aprendizado dos alunos e minimizar suas deficiências.

A opinião de Abigail Braga está no mesmo tom da diretora da Escola Municipal Índio Piragibe, Francineide Moraes. Situada no bairro de Mangabeira, a instituição é outra referência que o ensino público de qualidade é possível. Dentro das ações implantadas, figura o espaço para alunos especiais, a exemplo dos deficientes auditivos. Há uma disciplina, inserida no espaço da Língua Portuguesa, que ensina a todos o alunado a Língua Brasileira dos Sinais (Libras).

Nas salas que estudam deficientes auditivos, existe a presença de tradutores de Libras. A escola também está adaptada para cadeirantes, diz a diretora da Índio Piragibe, para em seguida afirmar que a valorização do professor adotada pela gestão municipal, a exemplo do 14º salário, e a melhoria na infraestrutura das escolas existentes, bem como a construção de novas unidades com elevado padrão, oferece ao ensino público condições necessárias para se equivaler às escolas particulares.

Projetos e ações – Programas como “Escola Municipal Aberta”, que leva arte, cultura e lazer para as escolas; “De Bem com a Vida”, cujo público alvo está centrado nos profissionais da educação e sua saúde; “Hortas Escolares”, “Xadrez na Escola”, “Robótica”, laboratórios de Informática e Química, entre outras ações, vêm melhorando a qualidade do ensino municipal.

Na observação da secretária de Educação de João Pessoa, Ariane Sá, a rede pública municipal de ensino deu um salto qualitativo graças ao comprometimento da atual gestão na reformulação pedagógica. “Todos somos responsáveis por esse sucesso. Professores, alunos, pais de alunos, diretores, enfim, todos que estão comprometidos com um ensino público e de qualidade. Lembre-se que na década de 70 escolas públicas, como o Lyceu Paraibano, era referência em ensino público. De certa forma, estamos resgatando esse valor”, analisou.