‘Perdoa-me por me traíres’ volta ao Theatro Santa Roza

Por - em 63

A Companhia Engenharia Cênica (Sobral – CE) reapresenta nesta quinta-feira (23) o espetáculo “Perdoa-me por me traíres”, no Theatro Santa Roza, a partir das 20h. A encenação faz parte do Projeto Vértice, que reúne mostras de teatro, circo e dança e é realizado pela Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope).

Nesta quinta-feira o público pessoense poderá conferir uma encenação escrita na década de 50 do século passado e permanece atual. Baseado em um texto ainda polêmico, uma vez que trata da hipocrisia social, da falsa moral, corrupção, relações incestuosas e assassinato por amor em desmedida, o espetáculo propõe discussões delicadas através de textos como: “o marido que bate tem suas razões”, “amar é ser fiel a quem nos trai”, “a adúltera é mais pura porque está livre do desejo que apodrece dentro dela”, “com que roupa a polícia vai prender deputados?”.

Capaz de lidar com realismo e expressividade os sentimentos humanos que envolvem relações passionais de amor, traição, ódio e vingança, “Perdoa-me por me traíres” une o trágico, trágico-cômico, melodramático, expressionismo e muita brasilidade. Para isso conta com atores talentosos capazes de realizar amarrações sutis e fortes nos temas como ciúme, dissimulação, prostituição juvenil, exploração sexual por políticos de grande respeitabilidade e clínicas clandestinas de aborto.

Companhia – Com sete anos de história e o Prêmio Funarte Nelson Brasil Rodrigues – 100 Anos do Anjo Pornográfico, a Companhia Engenharia Cênica é oriunda do município de Sobral, na região Noroeste do Estado do Ceará. Composta por dois núcleos de artistas, sendo um fixo e outro flutuante, o grupo desenvolveu três trabalhos cênicos: “Fragmentos”, intervenção urbana na Boulervard do Arco do Triunfo e os espetáculos de teatro “Duas Vidas Um Grande Amor…” e “Irremediável”.

Em 2009, a Companhia montou o espetáculo teatral “Doralinas e Marias”, em Salvador (BA), com o qual conquistou o prêmio do Edital de Apoio à Montagem de Teatro Manoel Lopes Pontes, da Fundação Cultural da Bahia (Funceb).