Pessoas surdas discutem saúde em ação no Shopping Tambiá

Por - em 43

Levar informações sobre temas de saúde e a oferta de serviços disponíveis à população para as pessoas surdas. Com esse objetivo, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizou durante esta quinta-feira (25) o projeto ‘Mãos que falam’, onde os surdos, através de intérpretes da linguagem de Libras, receberam informações sobre DST/Aids, práticas integrativas, álcool e outras drogas, hipertensão e diabetes, e o acesso aos serviços de referência.

As atividades aconteceram próximo à Praça de Alimentação do Shopping Tambiá e registraram grande movimentação. De acordo com a técnica da área de pessoas com deficiência da SMS, Walquíria Nascimento, foram os próprios usuários que escolheram o local para as ações. “Durante as rodas de conversas, eles escolheram o local pela grande movimentação de surdos, e realmente a procura tem sido bastante satisfatória” afirmou.

No espaço montado, foram disponibilizadas informações sobre os quatro temas abordados e, para cada um deles, havia profissionais qualificados, material ilustrativo e folders educativos. Um dos espaços mais procurados foi o que abordou o uso do álcool e outras substâncias entorpecentes.

Segundo o responsável pela Seção de Saúde Mental, Marcos Perazzo, foi uma boa surpresa a receptividade dos surdos com o tema. “Muitos deles vieram buscar informações e nos contar que vários colegas são usuários de drogas e não sabem, ou tem vergonha de procurar por um serviço de referência”.

Para Walquíria Nascimento, um dos projetos para o próximo ano é tentar implantar uma rede de atendimento para os surdos usuários de drogas. “Vamos estudar as estratégias para mais esse atendimento diferenciado”, afirmou.

Amilton Junior tem 37 anos e participa ativamente das atividades desenvolvidas pela SMS. Com a ajuda de um intérprete, ele contou que essa iniciativa precisa ser levada para outros locais. “É muito importante que os surdos possam esclarecer suas dúvidas e receber informações. Atitudes que eu considerava sem importância, na verdade podem pôr em risco minha saúde”, afirmou.

O próximo passo do projeto é iniciar o ciclo de novas palestras para 2011. Através das rodas de conversas realizadas com os surdos, novos temas serão sugeridos para debate.