PMJP executa ação emergencial nas ruas por causa das chuvas

Por - em 22

As chuvas registradas em João Pessoa no final de semana passado aumentaram o ritmo de trabalho da Defesa Civil do Município. Segundo o coordenador do órgão, Rodrigo Marques, os plantonistas receberam chamadas de vários bairros da Capital, a maioria sobre alagamentos. Para diminuir as ocorrências, uma equipe intersetorial da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) intensificará, durante esta semana, os trabalhos de remoção de lixos de encosta, desobstrução de galerias e colocação de lonas plásticas em barreiras com risco de deslizamento.

Em bairros como Rangel, Torre e Cabo Branco foram registradas ocorrências de deslizamento, mas nenhuma com possibilidade de oferecer risco à vida humana. Em outros pontos, a Defesa Civil foi acionada por causa dos alagamentos, como em Mangabeira VIII, Valentina Figueiredo, Avenida D. Pedro II e Avenida Ruy Barbosa, onde a PMJP realiza uma obra de drenagem que vai solucionar de vez o problemas das alagações, com instalação de uma tubulação profunda em quase toda a avenida.

Já na Comunidade Riachinho, no Jardim 13 de Maio, o trabalho da Defesa Civil foi visitar o local e apontar as casas em risco de desabamento – trabalho realizado no último final de semana de janeiro, quando várias casas do local foram invadidas pela água e o prefeito assinou um decreto de situação de emergência para a comunidade. “Depois da remoção das famílias dessa área, a prefeitura iniciará a demolição das casas condenadas e construirá novas moradias para todos”, adiantou Rodrigo Marques.

Seinfra – A Secretaria de Infraestrutura da Prefeitura de João Pessoa (Seinfra) está executando ações emergenciais para minimizar os transtornos causados pela chuva. As equipes estão trabalhando em vários pontos da cidade, como os bairros Cidade Verde, Cristo e Centro.

De acordo com a Diretoria de Manutenção da Seinfra, estão sendo executados serviços de limpeza, desobstrução e manutenção nos sistemas de drenagem e esgotamento, além da retirada de entulhos e recuperação de pavimentos. “A participação da população é muito importante no sentido de não jogar lixo nos terrenos baldios, rios, córregos e sopé das barreiras. O maior prejuízo é sempre da população que poderá ter perdas materiais e problemas de saúde, pois esse lixo entope as bocas-de-lobo, causando alagamentos nas vias e dentro de residências, reforçou Vânia Franca, Diretora de Manutenção.

Segundo ela, equipes da Seinfra executaram, neste domingo (13), serviços de desobstrução em pontos da Avenida Epitácio Pessoa, Pedro II, João Machado e nos lançamento da Praia de Cabo Branco, Tambaú e Manaíra. Nesta segunda-feira (14) a ação está concentrada no bairro do Cristo Redentor, na Rua Fenelon Câmara, além de vias do Bairro Cidade Verde, em Mangabeira, nas proximidades do Presídio Feminino, onde foram registrados pontos de alagamento. Posteriormente serão executadas ações em Jaguaribe, Torre e no Centro.

“A prefeitura mapeou vários pontos da cidade onde são verificados alagamentos durante os períodos chuvosos e tem executado serviços de drenagem e pavimentação para dar solução definitiva aos problemas de acúmulo excessivo de água.

Mudança – As 66 famílias atingidas pelas chuvas na Comunidade Riachinho já estão recebendo, conforme garantiu o secretário adjunto da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Antônio Jácome. “Depois disso, uma equipe da PMJP fará a mudança dessas pessoas às casas já alugadas – onde elas permanecerão até que suas novas habitações estejam prontas”, explicou Jácome.

Quando assinou o decreto de situação de emergência, Luciano Agra também anunciou a construção de cerca de 100 casas para abrigar famílias que hoje estão em moradias de situação de maior risco na comunidade. A obra será subsidiada pelo Programa de Subsídio Habitacional (PSH) em um dos terrenos já avaliados pela prefeitura, disponíveis no próprio Jardim 13 de Maio. De acordo com Jácome, além das casas, a PMJP também cuidará de toda a parte de infraestrutura e urbanização da nova área, com investimentos próprios do município, disponíveis para aplicação em obras de interesse social.

Para o momento, prossegue o plano de assistência emergencial. O trabalho de desassoreamento do Riacho do Peixe, que corta a comunidade, e os serviços de drenagem e desobstrução das galerias pluviais continuam. Para as famílias que perderam tudo com as águas e cujas casas oferecem riscos de desabamento, a solução encontrada, até o aluguel de novas casas, é o abrigo na Escola Estadual Maria Quitéria. “Nessa escola, fazemos a entrega de cestas básicas e colchões”, disse o secretário adjunto.

O trabalho intersetorial envolve a Defesa Civil, a Emlur, a Guarda Municipal e as secretarias de Desenvolvimento Social, Infraestrutura, Habitação Social, Meio Ambiente e Planejamento. A prefeitura continua recebendo doações para as famílias desabrigadas, (mas apenas material de higiene pessoal e alimentos; roupas não são mais necessárias, por enquanto) no estande do projeto ‘Atitude Verão’, na Praia de Tambaú, e no Centro Administrativo do Município (CAM), em Água Fria.