PMJP inicia curso de libras no Centro de Inclusão para pessoas com deficiência

Por - em 62

‘Mãos que falam por nós’. Esse é o nome do curso de libras oferecido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) e que tem início nesta quarta-feira (21) no Centro de Referência Municipal de Inclusão para Pessoas com Deficiência, localizado na Av. Monsenhor Walfredo Leal, 319, em Tambiá. O curso é destinado aos funcionários públicos que trabalham com atendimento, familiares de usuários e a comunidade em geral. A intenção é que cada turma seja preenchida com 25 pessoas. As inscrições podem ser feitas no próprio Centro até o início do curso, no horário de funcionamento das 8h ao meio-dia e das 14 às 17 horas.

A capacitação terá duração de seis meses e será ministrada pela especialista Elizângela de Lima e a intérprete de libras Raquel Durval de Melo. O curso acontece nas segundas ou quartas-feiras, das 14 às 16 h, para a população externa. Nos outros dias da semana, às aulas serão destinadas aos usuários e usuárias, numa didática especial voltada para o ensino da língua portuguesa. “A criança surda tem a obrigação de aprender a língua de sinais para poder se comunicar com a coletividade”, afirmou a professora Elizângela de Lima.

A proposta do curso, segundo ela, é que seja erradicada a situação de mudez. “O uso do aparelho auditivo somado ao aprendizado da língua proporciona uma vida normal ao surdo”, diz ela, apontando a sua própria condição atual. “Com o uso do aparelho, eu me comunico normalmente com as pessoas, inclusive usando o sistema telefônico”.

Centro de Inclusão – É ligado à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) e trabalha atualmente com 125 pessoas de até 37 anos portadores de diversas deficiências, das quais, cerca de quinze surdos. A professora Elizângela de Lima considerou de grande importância o curso de libras para o processo de inclusão do usuário. “A partir do momento em que o usuário e a sociedade aprendem à língua de sinais, a comunicação é consolidada”, afirmou.

A diretora do Centro de Inclusão, Maria Jaidete de Farias, destacou que o curso faz parte das várias oficinas metodológicas oferecidas para a inclusão dos usuários. Diariamente são realizadas oficinas de música, educação física adaptada, artes e mais recentemente vem sendo desenvolvido o ‘Projeto Crer-Ser’, que envolve a vivência da biodança com a família dos usuários.

“O objetivo é trabalhar as relações do ser consigo e com o outro a partir de vivências em que possam ser trabalhadas as condutas psicomotoras relacionais, utilizando-se do corpo a partir do movimento”, define a diretora,  lembrando que a proposta é  trabalhar a família na linha da inclusão.

O Centro de Referência Municipal de Inclusão para Pessoas com Deficiência é formado por uma equipe de profissionais nas áreas de saúde (fisioterapia, pediatria e fonoaudiologia), assistência social e educação. O telefone de contato é 3218-9807.