PMJP instala quatro revistecas em ilhas de leitura da Capital

Por - em 24

O estímulo à prática da leitura na Capital paraibana se reforçou com a instalação de quatro revistecas em diferentes unidades do Projeto Estação do Livro, criado e mantido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) em praças públicas pessoenses. Depois de lançada a primeira, na sede da Guarda Municipal, as revistecas chegam agora às praças Bela (Funcionários II), Nossa Senhora da Paz (Castelo Branco), Mangueiras (Alto Mateus) e Amizade (Rangel). A instalação de revistecas em João Pessoa é fruto de uma parceria entre a PMJP e a Editora Abril Cultural.

As novas revistecas receberão, a cada três meses, títulos publicados pela empresa conveniada, que ficarão dispostos em prateleiras e expositores das unidades da Estação do Livro (o material faz parte do kit inicial, juntamente com 300 exemplares da editora). “É um incentivo a mais, pois as ilhas de leitura já são bastante frequentadas”, destaca o bibliotecário e coordenador da Biblioteca Municipal de João Pessoa, Marcos Paulo de Farias, também responsável por uma campanha de doações de livro para biblioteca que já arrecadou mais de 14 mil títulos.

A ideia inicial do projeto partiu do ex-superintendente da Guarda Municipal, José Bernadino, que pensava em instalar uma pequena biblioteca na sede do órgão, com o nome “Prateleira do Saber”. Ao tentar viabilizar o projeto, encontrou a consultora educacional Crizélia Oliveira, que já desenvolvia um projeto de promoção à leitura em escolas da Capital. A partir de então, chegaram à parceria com a Garibaldi, distribuidora da Editora Abril, e transformaram o projeto em realidade.

O objetivo da PMJP, segundo Marcos Paulo, é instalar revistecas nas demais ilhas do Estação do Livro (ao todo, são 14) e também em creches, hospitais e escolas do município, um processo que se estenderá pelos próximos dois anos. Enquanto isso, a prefeitura continuará apoiando e cuidando das revistecas já existentes. “Na Guarda Municipal, por exemplo, o atual superintendente, Sandro Targino, abraçou a ideia com muito entusiasmo”, ressaltou o bibliotecário.