PMJP lança pedra fundamental do Horto Florestal Municipal

Por - em 157

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria do Meio Ambiente (Semam), lançou na manhã desta quinta-feira (12) a pedra fundamental do Horto Florestal Municipal Cidade Verde, em Mangabeira. O prefeito Luciano Agra e a secretária do Meio Ambiente, Ligia Tavares, fizeram o lançamento ao som dos tambores dos meninos e meninas do grupo de música do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), reafirmando o compromisso da gestão pública no sentido de preservar o bioma litorâneo e a área de Mata Atlântica, recordista mundial em biodiversidade.  

O Horto ficará numa área de Mata Atlântica com mais de 22 hectares (228.740 metros quadrados), um espaço de preservação permanente do rio Cabelo. Para Luciano Agra, o lançamento da pedra fundamental “é mais um presente no mês de aniversário de João Pessoa”.  Segundo o prefeito, é de extrema importância que os centros urbanos preservem suas áreas verdes. “Além do conforto ambiental, o Horto Florestal alimenta a nossa autoestima. Somos uma cidade com padrão elevado de área verde, mas precisamos plantar e preservar mais.  Nós queremos João Pessoa uma cidade saudável”, disse.

O Horto terá como uma das principais ações as atividades de educação ambiental, com foco na sensibilização da comunidade, prevenção de desastres e pesquisas e  preservação dos remanescentes do bioma Mata Atlântica no município de João Pessoa.

A secretária do Meio Ambiente, Ligia Tavares,  lembrou que a ação de lançamento da pedra fundamental do Horto Florestal insere João Pessoa nas atividades do Ano Internacional da Biodiversidade. “A preservação desta área é a concretização do sonho e do trabalho dos técnicos da Semam, que há 12 anos trabalham para criar o nosso Horto Florestal, um espaço onde será cultivado o banco genético de mudas de plantas nativas. Hoje não temos como perceber a importância desse trabalho, já que as árvores nativas demoram um pouco para crescer, mas as gerações futuras certamente terão mais qualidade de vida, numa cidade mais arborizada”, disse.

O Horto terá um viveiro de plantas nativas, plantas ornamentais, bloco administrativo e ainda banco de sementes ou câmara fria, laboratório e auditório. Serão produzidas mudas de espécies de Mata Atlântica, com ênfase nas espécies ameaçadas de extinção. O projeto está sendo desenvolvido por técnicos da Divisão de Estudos e Pesquisas da Semam, com apoio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedurb) e Secvretaria de Planejamento (Seplan). A construção será adequada às normas técnicas de construção ecológica.

Representantes dos movimentos sociais  e ambientalistas participaram do lançamento da pedra fundamental. Alexandre Jorge, vice-presidente da organização não governamental SOS Rio Cuiá, acredita que um horto desse porte poderá contribuir para tornar João Pessoa uma cidade ainda mais verde, já que terá uma capacidade maior de produção de mudas de árvores.

Na opinião de Eulina Carvalho, da ONG Acácia Pingo D’Ouro, as ações de educação ambiental são bastante importantes, mas ainda são muito tímidas. “Não é fácil. As pessoas ainda não estão conscientes do quanto é importante a educação ambiental. Nesse sentido, o Horto traz um elemento extremamente importante, que é o foco na educação ambiental. É preciso também rearborizar a cidade. Algumas espécies desapareceram. João Pessoa precisa fazer jus a esse título de cidade verde”, complementou.