PMJP lança primeiro Plano de Recuperação da Mata Atlântica

Por - em 32

João Pessoa é a primeira cidade brasileira a ter um Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica. O trabalho foi apresentado na manhã desta sexta-feira (12), pelo prefeito de João Pessoa, Luciano Agra, no Parque Zoobotânico Arruda Câmara, a Bica. O pioneirismo ratifica o status de “cidade verde”, que acompanha a cidade em seus 425 anos de fundação, e fortalece o compromisso do poder municipal na preservação de suas áreas verdes.

Na ocasião, Luciano Agra ressaltou a necessidade de se recuperar o tempo perdido depois de anos de desrespeito à Mata Atlântica e definiu o plano como uma ferramenta indispensável para a diminuição do déficit ambiental com as gerações futuras. “Ele nos dá segurança para planejar o desenvolvimento sem perder o foco na referência global de cuidado com o meio-ambiente. Continuaremos crescendo, mas seguindo as exigências do plano. Tudo o que fizermos tem de seguir esse critério”, disse.

Aprovado por unanimidade pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comam), instância que reúne 17 órgãos representativos da sociedade, o plano foi elaborado pela Divisão de Estudos e Pesquisas da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semam), em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, a partir da necessidade de planejar estratégias de políticas públicas para a preservação do meio ambiente.

Segundo Ligia Tavares, geógrafa e secretária de Meio Ambiente, o plano tem o objetivo de direcionar a política ambiental da cidade, visando a proteção da Mata Atlântica. “Não é um trabalho congelado, mas aberto a melhoramentos, já que a cidade muda a cada dia. Mas ele nos dará diretrizes que deveremos seguir para manter o verde de nossa cidade, proteger os nossos mananciais hídricos e as nascentes, monitorar a poluição, enfim, cuidar da nossa natureza”, afirmou.

Também fez parte do evento o diretor de Mobilização da S.O.S. Mata Atlântica, Mario Mantovani, que destacou a luta de décadas pela criação da Lei da Mata Atlântica e o empenho da Prefeitura de João Pessoa (PMJP) em criar o seu plano. “O fato de ser a primeira cidade do Brasil a dispor Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica tem uma forte carga simbólica, por ser a capital paraibana um lugar onde o verde prevalece. Mas devemos sempre ter em mente que a natureza não tem ideologia, ela é de todos”, disse.

Metodologia – O Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica de João Pessoa foi estabelecido em cinco fases. Em um primeiro momento, técnicos da Semam trabalharam com pesquisa bibliográfica e cartográfica, estabeleceram critérios de escolha das dez áreas prioritárias e definiram parâmetros de classificação das áreas degradadas.

Na segunda fase foram feitos trabalhos orientados de campo, com sobrevoo planejado do município, atualizando os dados cartográficos e, ainda, pesquisa terrestre para reconhecimento dos problemas e potencialidades de cada área. Na terceira e quarta fases todas as informações foram analisadas para produção de um relatório técnico-científico. Por fim, foram feitas as comparações entre as bases cartográficas do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica com o Macrozoneamento do Plano Diretor e das áreas de risco elaboradas pela Coordenadoria Municipal da Defesa Civil.