PMJP socorre famílias que tiveram casas atingias por barreira no Róger

Por - em 28

Um deslizamento de barreira no Bairro do Róger atingiu uma casa, que teve parte de um dos quartos e toda cozinha afetados, e comprometeu a estrutura de outra residência próxima. O fato aconteceu às 5h30 desta segunda-feira (16) e a ocorrência foi registrada na Defesa Civil Municipal. Antes mesmo de chegar ao local, a Defesa acionou as secretarias de Infra-Estrutura (Seinfra) e de Desenvolvimento Social (Sedes), para enviarem equipes até o local e tomarem todas as providências necessárias à salvaguarda das vidas humanas e recuperar a área destruída. As casas estão localizadas numa barreira da Rua Cristovam Lins, no mesmo bairro.

As fortes e constantes chuvas que vêm caindo desde a noite do domingo passado (15) foram suficientes para causar alagamentos e deslizamentos de barreiras em várias áreas do município de João Pessoa. Mesmo com o aumento pluviométrico, segundo o técnico da Defesa, Alberto Sabino, não foram registradas ocorrências mais graves nas áreas de risco e bairros da cidade que receberam as ações de prevenção do Plano de Contingência, realizadas pelo órgão em parceria com outras secretarias municipais.

Deslizamento – Por volta das 5h, a moradora da casa atingida ouviu o primeiro estrondo na parede do quarto que dormia. Logo depois a outra moradora da residência de cima, abriu a porta da sala e viu que boa parte do ‘terraço’ havia desmoronado.

Diante do fato, a Defesa Civil interditou as duas casas e orientou as famílias que fossem provisoriamente para a casa de parentes. “Além da interdição, a Prefeitura de João Pessoa (PMJP) vai realizar ações para resolver os problemas das famílias. A Sedes adotará providências de relocação das famílias, enquanto que a Seinfra fará a recuperação e demolição da casa que teve parte da estrutura desmoronada. A estrutura de lá está totalmente comprometida e não há como reformar, só demolir”, explicou Alberto Sabino.

Valéria Carvalho de Araújo, dona da casa da parte de cima da barreira, disse à Defesa Civil que já estava morando provisoriamente na casa da sogra e que possui um terreno no Róger, só que em uma área mais plana e gostaria de construir algo lá. O técnico anotou a pretensão da moradora e disse que todas as providências seriam tomadas. Valéria enfatizou que se sentia mais tranqüila com essas ações da Prefeitura.