PMJP traça metas para combater doenças sexualmente transmissíveis

Por - em 41

A Prefeitura de João Pessoa promove, a partir desta segunda-feira (12) até a próxima quarta (14), o Seminário de Avaliação do Plano de Ações e Metas (PAM) de 2007 e Planejamento para 2008 da Secretaria Municipal de Saúde para o combate e prevenção às DST’s/AIDS e assistência aos usuários.

O encontro, que ocorre no Hotel Netuanah, durante os dois turnos, servirá para que profissionais de diversas áreas da gestão municipal, bem como entidades da sociedade civil, possam analisar as ações realizadas este ano e estabelecer as atividades para o ano de 2008, no que diz respeito ao combate às DST e à assistência aos usuários nos serviços de saúde.

Cerca de 50 pessoas participam do encontro. Durante a programação da manhã, os participantes tiveram acesso a uma apresentação do perfil da Aids e das DST em João Pessoa. A atividades seguiram com a formação de grupos de planejamento de ações, apresentação de propostas e formação de comissões de trabalho.

A secretária municipal de Saúde, Roseana Meira, ressaltou, durante a abertura dos trabalhos, a importância do desenvolvimento de atividades integradas entre as diversas instituições e setores da saúde, a fim de estabelecer uma saúde de qualidade e de respeito às pessoas nos seus direitos.

Roseana Meira também enfatizou a importância da ação dos diversos setores da sociedade civil e do governo municipal para que o Plano saia do papel e se torne uma realidade. “Isso só é possível com o trabalho parceiro e cooperado de todos”, avaliou a secretária.

Perfil Municipal
– De 2000 a 2007, foram registrados 561 casos de pessoas portadoras de HIV/Aids em João Pessoa. Nesse período, contabilizou-se 179 mortes, tendo a doença como causa direta do óbito. Esses são dados retirados do Sistema Nacional de Notificações (Sinan) e do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM).

Do universo de casos de HIV/Aids registrados, 71% são homens e 29% mulheres. De acordo com a diretora de Vigilância em Saúde, Júlia Vaz, que realizou a apresentação sobre o perfil das Doenças Sexualmente Transmissíveis em João Pessoa, em 2002 é observado um aumento progressivo da incidência da contaminação pelo vírus na Capital paraibana. Atualmente, a faixa etária acima dos 50 anos é um público propenso a contrair a doença.

“Enquanto na faixa etária dos 15 aos 49 anos existe uma tendência ao decréscimo do HIV/Aids, na população acima dos 50 anos observamos um aumento, que se deve a dois fatores. O primeiro deles é o uso de medicações que permitem o prolongamento da vida sexual das pessoas nessa faixa etária. Depois, tem a questão cultural desse público, que possui uma certa resistência ao uso do preservativo” , disse Júlia Vaz.

A diretora de Vigilância em Saúde reforçou a incidência de outras doenças sexualmente transmissíveis, como a sífilis congênita e até mesmo as hepatites B e C, que também representam riscos à população e devem ser diagnosticadas e tratadas. Os acidentes e violências também foram citados pela diretora dentro de uma relação indireta com a disseminação das DST.

Entre as propostas encaminhadas para o encontro, está a estruturação de um serviço especializado no acompanhamento de profissionais que se envolvam em acidentes de trabalho com materiais pérfuro-cortantes, tendo contato com o material biológico. Com a estruturação do serviço, aqueles que se acidentarem durante o trabalho terão acompanhamento periódico de assistência à saúde.