PMJP vai avaliar implantação de projeto de prevenção ao uso de drogas

Por - em 44

Um projeto educativo de prevenção ao uso de drogas entre os jovens a ser desenvolvido e discutido entre professores, educadores e alunos em sala de aula. Esta é a proposta do ‘Viver de Cara Limpa – Uma Escolha’, nome também de um livro que conta a história de Ricardo Ribeirinha, um ex-dependente químico que hoje busca levar uma mensagem de alerta para outros jovens.

O projeto foi apresentado pelo próprio autor, Ricardo Ribeirinha, nesta terça-feira (10) à Prefeitura Municipal de João Pessoa durante uma reunião com o chefe de Gabinete da gestão, Raoni Mendes, que, na ocasião, representou o prefeito Luciano Agra. Da reunião também participaram a secretária de Educação do Município, Ariane Sá; o presidente da Fazenda Esperança na Paraíba, Francisco Morais Júnior; e o militar reformado e voluntário Manoel Cadete.

O livro, escrito também pela jornalista Jocyelma Santana, conta a trajetória de vida de Ricardo, da experiência com as drogas, o período em que morou nas ruas, a recuperação na Fazenda Esperança, os anos de trabalho com o frei Hans Stapel, fundador da instituição, além da experiência depois como coordenador de políticas públicas no estado do Tocantins. O texto também traz vários dados sobre a questão do fator tóxico-dependência no Brasil.

O resultado da obra são três volumes que propõem discutir e chamar a atenção de educadores, família e, principalmente, os jovens. “O livro, escrito em três volumes, é uma ajuda, um kit pedagógico, direcionado aos adolescentes, que busca trabalhar a prevenção em relação às drogas. É uma metodologia que estamos levando a várias cidades do Brasil e que já vem sendo implementado nas escolas públicas dos governos de estados como São Paulo, Piauí, Tocantis, Amazonas e Acre, entre outras locais”, destacou o autor.

“Vamos levar a proposta ao prefeito Luciano Agra que irá avaliar a possibilidade de aliarmos o projeto aos que já vem sendo desenvolvidos em nossas escolas também com relação a questões de prevenção às drogas”, completou Raoni Mendes.

Fazenda Esperança – Em seu livro, Ricardo Ribeirinha conta sua a experiência na Fazenda Esperança, uma comunidade terapêutica que trabalha com a recuperação de dependentes químicos, criada há 30 no Brasil, presente hoje em 80 unidades no País e em mais 11 países. Na Paraíba, a Fazenda Esperança funciona no município de Alhandra, e hoje conta com 35 jovens em recuperação.

“Trabalhamos com três pilares de ação: a espiritualidade ecumênica, o trabalho como fonte de auto-sustentação e a convivência, buscando o contato também com a família. No total, de 15 mil jovens já conseguiram a recuperação em nossas fazendas. Um dado acompanhado pela Universidade São Francisco, de São Paulo, e que também revela um percentual de 80% de recuperação”, comenta Francisco Morais Júnior.