PMJP vai intensificar campanha contra exploração sexual na Capital

Por - em 21

Diante da proximidade do Carnaval de 2011 e as prévias carnavalescas do projeto Folia de Rua (que tem início no próximo dia 25 de fevereiro), a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria de Turismo, vai intensificar as ações de divulgação da Campanha de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, organizada pelo Programa Turismo Sustentável e Infância do Ministério do Turismo.

A campanha foi lançada na Paraíba na última sexta-feira (11), no prédio da Procuradoria Regional do Trabalho, pelo procurador Eduardo Varandas. Inicialmente, todos os aeroportos do Nordeste estarão apresentando a peça publicitaria informativa, mas depois a ação será estendida para todas as aeronaves que tenham o Brasil como destino. No cartaz, aparece o lema da campanha: “Exploração sexual de crianças e adolescentes não é turismo. É crime. Disque 100 e Denuncie”.

O secretário de Turismo de João Pessoa, Elzário Junior, destaca que a PMJP vai participar ativamente da divulgação e levar os cartazes informativos para pontos estratégicos da cidade, com o objetivo de “desestabilizar a ação da “rede do mal”, numa referência aos “facilitadores de exploração sexual de crianças e adolescentes”. Ele avisou também que durante o desfile dos blocos do Folia de Rua a Secretaria vai distribuir material informativo com os foliões.

“A Setur da Capital tem participado ativamente das ações do Disque 100, sendo a entidade interlocutora junto ao Ministério do Turismo de todas as ações realizadas em João Pessoa”, frisou.

Situação em João Pessoa – O secretário Elzário Pessoa apresentou os números e os tipos de denúncias feitas através do Disque 100 no ano de 2010. Na Paraíba, foram registrados 564 denuncias, sendo que 196 em João Pessoa. A Paraíba está atualmente na 19ª colocação no ranking nacional de exploração sexual.

Entre 2006 e 2010, foram registradas 757 denúncias feitas através do Disque 100 apena na capital paraibana, o que segundo ele comprova o crescimento da violência sexual, mas ao mesmo tempo demonstra o resultado positivo da campanha. “As pessoas estão deixando o medo de lado e partindo para denúncia, o que antes não acontecia”, revela.

Elzário explicou também o foco das fiscalizações, que acontecem sempre em parceria com o Ministério Público. “Não se pode permitir que pequenas hospedagens classificadas como pousadas, cobrem o serviço por hora e ofereçam na verdade o serviço de motel. Foi assinado um Termo de Ajustamento de Conduta com os hoteleiros, proprietários de motéis e pequenas hospedagens do Centro Histórico da cidade para tentar coibir essa ação criminosa, pois não podemos chamar isso de turismo”, afirma.

Ele ressaltou a importância de se fazer turismo e de promover o desenvolvimento do setor, mas evitando o exemplo negativo de outras regiões. “Quanto mais enfrentarmos o problema de frente melhor”, concluiu.