População tem maior acesso a serviços de saúde bucal em JP

Por - em 17

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP) apresentou na tarde desta terça-feira (16) o resultado do Levantamento Epidemiológico das Condições da Saúde Bucal da População de João Pessoa, que vem a ser um diagnóstico das condições da política pública da área na Capital. A apresentação ocorreu no auditório da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano Cabo Branco.

O levantamento aponta que houve maior acesso da população aos serviços públicos de tratamento bucal em toda a cidade, o que se credita à integralidade dos serviços com encaminhamento dos pacientes a partir das Unidades de Saúde da Família (USF). O lançamento contou com a participação do coordenar nacional de Saúde Bucal do Ministério da Saúde (MS), Gilberto Pucca.

A ampliação do acesso aos atendimentos de saúde bucal foi uma das constatações da pesquisa em várias faixas etárias. Na dos 12 anos o acesso chegou a 94,06%. Entre a população pesquisada com idade variando entre 15 e 19 anos o índice é de 94,5%. O maior registro foi identificado entre as pessoas pesquisadas com idades entre 35 e 44 anos com 99,25% deles tendo acesso aos serviços essenciais de saúde bucal. Na faixa entre os 65 e 74 anos, o percentual de acesso às consultas odontológicas ocorreu para 97,52 dos pesquisados.

O coordenador nacional de Saúde Bucal, Gilberto Pucca, ressaltou que o diagnóstico é fundamental para se avaliar as políticas públicas de saúde. “É importante que os gestores tomem como tarefa ampliar a cobertura do atendimento em saúde bucal como ocorre em João Pessoa. Só podemos parabenizar por esta iniciativa que é a prova da preocupação com o diagnóstico e a proposição de soluções para a melhora dos serviços e da saúde da população. A ampliação do acesso da população aos serviços de saúde bucal é um ganho significativo”, afirmou.

A partir do Levantamento Epidemiológico das Condições da Saúde Bucal da População de João Pessoa, a secretária de Saúde da Capital, Roseana Meira, lembrou que será possível adequar ou potencializar as políticas públicas a partir de itens como acesso, satisfação dos usuários, atenção básica e procedimentos especializados. “O resultado é bastante positivo porque nos dá pistas e indica onde será preciso uma melhora no funcionamento dos serviços e onde a intensificação de ações tem surtido efeito a médio prazo”, frisou.

O diagnóstico foi realizado pela Prefeitura de João Pessoa em parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e Ministério da Saúde (MS).