Prefeitura abre inscrições para o concurso ‘Cartas a Ariano’

Por - em 59

Os estudantes matriculados do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental ou na Educação de Jovens e Adultos das escolas municipais de João Pessoa e que estão interessados em participar do concurso de redação “Cartas para Ariano Suassuna” podem se inscrever até o dia 19 de setembro. A seleção faz parte da programação do ‘Ano Ariano’, instituído pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP). O ganhador da redação mais criativa e original receberá certificado de participação, kit filatélico, troféu e um computador. O regulamento do concurso já está disponível nas escolas da rede municipal.

A secretária de Educação do Município, Ariane Sá, explica que o concurso tem por objetivo estimular a pesquisa sobre o autor, sua obra e a produção de textos. “A meta é que nossos alunos sejam pesquisadores sobre um grande autor da Paraíba e capazes de discutir a figura criativa do artista e um mundo mágico criado por ele. Para levar informações sobre quem é o escritor e o que ele representa para a produção literária nacional, procuramos capacitar os nossos professores através de seminários e palestras que abordavam a vida e obra de Ariano”, informou.

O concurso – Uma parceria com a Empresa de Correio e Telégrafos possibilitará a distribuição de 6 mil aerogramas nas escolas para que os alunos desenvolvam uma carta para Ariano Suassuna. “A temática é livre, desde que seja relativa ao autor ou à obra”, disse Ariane Sá.

O aluno interessado em participar deve preencher o aerograma, com o nome, ano do ensino fundamental, endereço da escola onde estuda e a carta. O aerograma deve ser remetido para Secretaria de Educação e Cultura de João Pessoa (Rua Diógenes Chianca, 1777, CEP 58.053-900, João Pessoa, PB). Cada estudante só poderá remeter uma carta.

A melhor redação será escolhida por uma comissão composta por cinco membros, sendo um representante da Diretoria de Gestão Curricular (DGC), um dos Correios, um representante da Coordenação de Arte e Educação, outro representante do Ensino Fundamental II, um professor de Português da Educação de Jovens e Adultos e um professor de Português convidado pela DGC.

Ariano – Romancista e teatrólogo, Ariano Suassuna nasceu a 16/06/1927, na cidade da Paraíba, atualmente denominada João Pessoa, capital do Estado da Paraíba. Filho de João Suassuna (governador da Paraíba entre 1924/28), viveu o ano de 1929, com a família, na Fazenda Acauhan, no sertão do Estado. Iniciou a carreira literária escrevendo poesias aos 16 anos de idade. Em 1950, contraiu tuberculose e ficou dois anos acamado; quando recuperou a saúde, tentou seguir a carreira de advogado mas, não obtendo sucesso, tornou-se diretor do Teatro do SESI. Em 1956 assumiu a cadeira de professor de Estética na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Com outros intelectuais, fundou o Teatro Popular do Nordeste (TPN) e o Movimento de Cultura Popular (MCP) ambos no Recife. Em 1970, foi o idealizador do Movimento Armorial, criado no Recife com a proposta de realizar uma arte erudita brasileira a partir das raízes populares da nossa cultura. Foi Secretário de Cultura de Pernambuco durante o terceiro governo de Miguel Arraes, 1995/98.

Bibliografia
Romance:

O Sedutor do Sertão (1962 – inédito); A Pedra do Reino, José Olympio Editora, 1971; A História do Rei Degolado nas Caatingas do Sertão – Ao Sol da Onça Caetana, José Olympio Editora, 1976; A História de Amor de Fernando e Isaura, Edições Bagaço, 1994.

Teatro:

Uma Mulher Vestida de Sol, Editora da UFPE, 1947; O Desertor de Princesa, 1948, inédita; Os Homens de Barro, 1949, inédita; Auto de João da Cruz, 1950, inédita; Torturas de Um Coração, 1951, inédita; O Arco Desolado, 1952, inédita; O Castigo da Soberba, seleta em prosa e verso, 1953; O Rico Avarento, seleta em prosa e verso; O Auto da Compadecida, 1955, Editora Agir; O Casamento Suspeitoso, José Olympio Editora, 1957; O Santo e a Porca, José Olympio Editora, 1957; O Homem da Vaca e o Poder da Fortuna, seleta em prosa e verso, 1958; A Pena e a Lei, Editora Agir, 1959; Farsa da Boa Preguiça, José Olympio Editora, 1960; As Cochambranças de Quaderna, inédita, 1988; A História de Amor de Romeu e Julieta, inédita, 1996.