Prefeitura derruba antigos boxes de venda de pescado em Tambaú

Por - em 22

Uma equipe da Secretaria de Infraestrutura da Capital (Seinfra) realizou na manhã desta quarta-feira (24) a demolição dos antigos boxes usados para a venda de pescados, localizados na avenida Almirante Tamandaré, em Tambaú. O trabalho de derrubada da antiga estrutura contou com a ajuda de maquinários (uma retroescavadeira e uma enchedeira), um carro-pipa, além de quatro caçambas para recolher os escombros. Os entulhos recolhidos foram levados para Usina de Beneficiamento de Resíduos Sólidos da Construção e Demolição (Usiben), localizada em Mangabeira.

O secretário de Infraestrutura (Seinfra), João Azevedo, disse que a construção do novo Mercado de Peixe e a demolição dos boxes são ações que atingem dois objetivos. “Primeiro, com o novo equipamento, vamos trazer melhores condições para a venda do pescado, e segundo, com a derrubada dos boxes, vamos resgatar uma área que antes era pouco valorizada”, explicou. Azevedo informou que no local onde ficavam os antigos boxes será construída uma praça, cuja obra já começa na próxima semana.

Comerciantes – Sérgio Luís Ribeiro, 51 anos, é um dos 11 comerciantes beneficiados com um box no novo Mercado de Peixe. Para ele a demolição dos antigos boxes é um marco histórico. “Tudo mudou para melhor. Desde a estrutura construída para o mercado até o manuseio dos peixes. É outra vida agora”, disse Sérgio Ribeiro, que já está instalado no novo local de trabalho.

Já a moradora do Bairro de Manaíra, Renata Leite, que já estava comprando peixe no novo mercado e acompanhou a demolição, destacou a limpeza do novo prédio. “Está 100%. Ficou muito bom e limpo”, ressaltou.

Nova Estrutura
– O novo Mercado de Peixe tem uma área construída de 700 metros quadrados, onde foram investidos aproximadamente R$ 606 mil. O local conta com 11 boxes, com espaço para atendimento, preparo, armazenamento e apoio, além de banheiro. Toda a obra foi erguida obedecendo as normas de acessibilidade. O Mercado ainda possui dois banheiros de apoio, fábrica de gelo, escritório, administração, depósito de material de limpeza, área de carga e descarga e uma Caiçara.

“Além dessa estrutura, todo o material resultante da limpeza dos peixes será recolhido e colocado em um ambiente refrigerado para então ser recolhido pela Emlur. Isso vai evitar os odores ruins”, revelou João Azevedo.